Customer Centric: como aplicar essa estratégia?

“O cliente é a alma do negócio.” Por mais clichê que essa frase possa parecer, ela revela um fato muito importante sobre o mundo empreendedor: o consumidor possui papel de destaque no sucesso de um negócio. E é justamente por isso que o customer centric vem ganhando cada vez mais adeptos.

Hoje, estratégias que procurem garantir a satisfação do público-alvo se tornaram bastante populares. Afinal de contas, a relação entre negócio e cliente deve ser sempre positiva, e ações como essa ajudam nesse quesito.

Diante desse cenário, técnicas que trabalhem com a experiência do usuário ganharam grande importância. Nesse post, vamos entender como funciona o customer centric, e conhecer algumas dicas sobre a sua aplicação.

O cliente no centro de tudo

Mais do que uma simples técnica, o customer centric é uma cultura que deve ser semeada entre todos os setores de uma empresa.

Dessa maneira, todos os funcionários realizam as suas atividades com um único objetivo: garantir o sucesso da experiência dos clientes.

Mesmo que eles sigam por caminhos distintos, o resultado sempre será o mesmo. Isso também faz com que todos estejam bem alinhados, o que otimiza os processos internos.

E como funciona, de fato, o customer centric?

Imagine a jornada de compra de um empreendimento. O lead passa por diversas etapas, até finalmente fechar negócio, certo?

A cultura customer centric vai ajudar na análise dessas fases para ter a certeza de que tudo está sendo feito da melhor forma possível para o usuário.

Ou seja, todos os funcionários terão a capacidade de olhar para o ciclo de maneira mais estratégica.

Assim, podemos dizer que desde o primeiro contato com o cliente, ele será o foco, e todas as ações serão desenvolvidas para garantir o seu conforto, incentivando a fidelização desse lead.

Um cliente feliz, além de recomendar os seus produtos e soluções para conhecidos, normalmente volta a fazer negócio com você.

É por isso que é tão importante investir nesse tipo de cultura, e se adaptar às necessidades de seu público-alvo.

3 ações para disseminar o customer centric

Disseminar uma cultura focada no cliente que seja efetiva e apresente bons resultados não precisa ser algo complicado. Algumas ações simples são o suficiente para implementar esse tipo de pensamento em toda uma equipe.

Separamos três dicas que auxiliam nesse momento de adaptação. Confira:

Utilize ferramentas eficazes no atendimento ao cliente

Mais do que simplesmente adquirir um produto ou um serviço, as pessoas querem passar por uma experiência completa e, é claro, positiva.

Todo o atendimento, portanto, deve ser realizado de maneira eficiente e prazerosa.

Para isso, uma boa saída pode ser incluir o uso de ferramentas que auxiliem nessa atividade.

Ao facilitar o contato e oferecer soluções imediatas, você garante a satisfação do cliente, que é o principal objetivo do customer centric.

Os chatbots são exemplos excelentes nessa área, e você também pode procurar por outras ferramentas que auxiliem nesse atendimento.

Conheça as necessidades de seu público-alvo

É impossível oferecer soluções eficazes se não conhecemos as necessidades reais de nosso público-alvo. Por isso, uma das principais obrigações de toda empresa é entender de forma aprofundada as dores de seu lead.

Essa preocupação é transmitida não somente para a qualidade e êxito dos produtos e serviços disponibilizados, mas também ao processo de atendimento ao cliente.

Sendo assim, não meça esforços, e esteja sempre bem alinhado com o seu público. Pesquisas de mercado podem lhe ajudar nessa questão.

Seja próximo ao seu cliente

Se alguém contratou as suas soluções, é porque confia em você. Por isso, é importante estar sempre próximo ao seu cliente, seja para tirar dúvidas, solucionar problemas ou simplesmente ouvir os seus feedbacks e considerações.

Mais do que somente prestar um serviço, você deve oferecer uma experiência ao público.

Essa relação cria maior afinidade entre ambas as partes, e contribui para o processo de finalização.

A cultura customer centric não para por aí…

Não há limites quanto tratamos da felicidade de um cliente. Mas, para realmente entregar uma experiência positiva, é preciso conhecer seu público, suas necessidades e o seu mercado de atuação a fundo.

Para ajudar você nessa jornada, a Layer Up gravou um podcast completo sobre planejamento. Conheça um pouco mais sobre benchmarking, criação de brand e buyer personas e o desenvolvimento de uma jornada de compra eficiente:

Mobile Marketing: acertando na estratégia para vender mais

Já ouviu falar do mobile marketing? Essa metodologia busca criar uma relação mais próxima e assertiva com o público de uma campanha por meio das funcionalidades de dispositivos móveis como celulares e tablets.

Afinal, hoje é praticamente impossível encontrar uma pessoa que não utilize esses aparelhos. Eles já conquistaram todas as faixas etárias, e já fazem parte de nossa rotina, funcionando até mesmo como uma extensão de nosso corpo.

Por isso, é importante ficar por dentro das estratégias que contemplam esses utensílios para aproveitar ao máximo todo o seu potencial.

Por que investir no mobile marketing?

De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 79% dos brasileiros possuem ao menos um smartphone.

E, mais do que simplesmente ter um aparelho móvel, as pessoas se tornaram dependentes dele: 69% dos indivíduos não saem de casa sem os seus dispositivos.

Ou seja, é interessante investir em estratégias que sigam a diretriz do mobile marketing porque elas contemplam esse público que utiliza com grande frequência esse tipo de dispositivo, realizando diversas atividades, inclusive a pesquisa e compra de novos produtos por meio dele.

Como colocar o mobile marketing em prática?

O mobile marketing não diz respeito à somente uma estratégia: ele inclui todas as técnicas que, de alguma forma, utilizam as funcionalidades dos dispositivos móveis.

Sendo assim, é possível realizar uma série de ações que se baseiam nessas funções. Apostar nas redes sociais é indispensável, mas também precisamos pensar um pouco além. Veja alguns exemplos:

Marketing de proximidade

Já pensou em enviar ofertas em tempo real para um cliente que está em sua loja? Isso com certeza iria melhorar a experiência do público e facilitar a finalização da venda, não é mesmo?

Com o marketing de proximidade, isso é possível! Por meio de beacons, hotspots Wi-Fi e outras técnicas de geolocalização, conseguimos enviar SMS, notificações e informações específicas para aquele usuário que está em seu estabelecimento ou na região próxima.

QR Code

Quer mesclar o uso de peças offline com online de maneira eficiente e estratégica? Com o QR Code, você consegue!

É possível incluir esse código em diferentes tipos de materiais, como panfletos e embalagens de produtos. Assim, quando o cliente fizer a leitura por meio do celular, será direcionado à uma página que oferece maiores explicações e informações sobre a solução.

Dessa forma, você alia a estratégia de marketing convencional com técnicas mais atuais, gerando excelentes resultados.

SMS Marketing

Você sabia que o SMS Marketing possui uma taxa de abertura muito próxima dos 100%?

Por isso, investir nessa estratégia é muito vantajoso, e uma das técnicas de mobile marketing mais populares atualmente. Isso porque, com ela, conseguimos enviar lembretes de cobranças, promoções, status de pedidos e muito mais. Assim, cria-se uma comunicação eficiente e satisfatória com o cliente.

E o que devemos evitar no mobile marketing?

Já conhecemos algumas metodologias que dão muito certo quando falamos de mobile marketing. Agora, precisamos entender o que evitar para não afastar o cliente de nosso negócio.

Não ser intrusivo, por exemplo, é essencial. Bombardear o cliente com várias mensagens e notificações push pode deixá-lo irritado, o que reflete de forma negativa em sua marca.

Além disso, é importante respeitar os limites que eles impõem. Se não foi permitido o envio de SMS marketing, por exemplo, não podemos passar por cima das vontades de nosso público, ou perderemos a credibilidade. Temos até leis que tratam da segurança de dados.

O mesmo vale para clientes que decidem parar de receber notificações: eles sempre devem ter a opção de cancelar a sua inscrição.

Quer continuar a explorar as vantagens do mobile marketing, garantir uma experiência valiosa para o seu público e melhorar cada vez mais os seus resultados? Então confira o e-book gratuito que preparamos para você sobre marketing e vendas:

 

Penalidades do Google para sites: por que é importante conhecê-las?

Obter um bom ranqueamento nas principais ferramentas de pesquisa da internet é um dos objetivos de todos os sites. Afinal, esses buscadores são uma das principais fontes de leads de um negócio. Por isso, é importante ficar de olho nas penalidades do Google.

Assim como todos os outros buscadores, o Google possui algumas normas. Duplicar conteúdos e camuflar palavras-chave, por exemplo, são ações que vão contra as suas regras.

Dessa forma, o buscador fica atento às páginas que seguem as suas diretrizes, oferecendo maior destaque à elas e punindo aquelas que não cumprem com seu regulamento.

Evitar as suas penalizações, portanto, é importante para não colocar em risco a boa posição que foi conquistada por seu site. Mas como fazer isso? Vamos explicar!

As principais penalidades do Google e como evitá-las

As penalidades do Google possuem grande relação com o posicionamento de um site em suas páginas de resultados.

Os usuários, ao fazerem suas pesquisas, entendem que os links que aparecem primeiro são mais importantes e confiáveis. Sendo assim, é justamente esse ranqueamento que é afetado quando somos punidos.

Essa redução pode ser divida em algumas classificações, que variam entre a perda de 30 a 950 posições – tudo depende da gravidade do erro cometido em seu site.

Além disso, em casos mais extremos, é possível ocorrer a desindexação da página e do domínio, assim como a dificuldade de indexar novas páginas. A exclusão total do seu site dos resultados da ferramenta também pode ser realizada.

Mas por que isso acontece? Muito provavelmente, os bots do Google identificaram algumas ações que vão contra as suas diretrizes. Propositalmente ou não, isso automaticamente acarreta em uma penalização.

Para evitar esse tipo de ocorrência, portanto, é necessário ficar de olho nas principais regras do buscador. Assim, é possível garantir que todas as ações referentes ao seu site estão de acordo com as regras da ferramenta.

Meu site foi penalizado: e agora?

De acordo com o Internet Live Stats, o Google processa cerca de 3,5 bilhões de pesquisas por dia. É por isso que, quando temos um site penalizado, é comum ficar preocupado: o seu alcance abaixa consideravelmente, o que impacta diretamente em seu desempenho.

Em momentos como esse, é importante manter a calma. É possível se recuperar desse tipo de situação.

Antes de tudo, é necessário entender por que o seu site foi penalizado. Você vai receber uma notificação e, ao analisá-la com atenção, é capaz de compreender o que deve mudar para recuperar o bom posicionamento no buscador.

Além disso, é interessante checar todas as páginas do seu site. Analise os conteúdos, os links e tudo que é oferecido ao cliente. Otimize as informações, e reformule tudo aquilo que pode interferir em seu caso.

Depois de corrigir todas as falhas, é hora de fazer o pedido de reconsideração no Google. O processo pode ser um pouco demorado, afinal, todas as páginas de seu site serão avaliadas. Sendo assim, é importante ter paciência.

Fique atento: o Google está sempre atualizando as suas diretrizes

Apesar de ser uma situação bastante desagradável, é comum que sites sejam afetados pelas penalidades do Google.

Isso porque as diretrizes e algoritmos do Google mudam constantemente, passando por várias atualizações. Assim, podemos cometer algum tipo de infração sem nem ao mesmo termos conhecimento disso.

É por esse motivo que é tão importante ficar atento e procurar saber mais sobre as suas normas.

Além disso, possuir estratégia e um posicionamento digital bem estruturado pode evitar esse tipo de problema. Em nosso blogpost, damos algumas dicas sobre o assunto

Comando de voz promete ser a tecnologia do futuro

Atividades realizadas por meio do comando de voz vêm se tornando cada vez mais populares.

Um estudo realizado pelo iProspect, por exemplo, mostra que 51% dos internautas latino americanos utilizam essa ferramenta semanalmente. E, em um mundo cada vez mais acelerado e atarefado, isso não é nenhuma surpresa.

As novas tecnologias facilitam diversas ações rotineiras, e isso fica ainda mais explícito quando utilizamos os comandos de voz. Isso porque, com eles, somos capazes de realizar inúmeras tarefas de maneira simultânea.

Por exemplo, com a Alexa, assistente virtual da Amazon, somos capazes de programar despertadores, configurar alarmes, conferir a previsão do tempo e até mesmo montar e reproduzir playlists com uma simples instrução vocal.

E, pensando em dispositivos mais acessíveis, os nossos smartphones também realizam muitas ações por meio das tecnologias de voz.

A popularidade crescente das tecnologias de voz

Na década de 1950, a IBM realizou algo inédito até então: desenvolveu um assistente de voz em um de seus dispositivos.

O sistema era rústico e bastante simples. Porém, foi fundamental para que tecnologias como as que conhecemos hoje pudessem ser criadas. Sem ele, é muito provável que a Alexa (Amazon), Siri (Apple), Cortana (Microsoft) e muitos outros softwares não existissem.

Diante desse cenário, é importante ter em mente que popularidade desse tipo de tecnologia se deve, também, ao fato de que as pessoas abraçaram e aceitaram os comandos de voz.

Cada vez mais a população incorpora atividades referentes à esses sistemas em seu dia a dia. Se antes as mensagens de voz eram usadas entre amigos, por exemplo, hoje elas também se tornaram comum no meio corporativo.

Uma pesquisa mostra que mais da metade dos adolescentes utilizam, diariamente, essa tecnologia. E mais: eles também afirmam que esse é o futuro da comunicação e também do mercado de tecnologia.

E é verdade. Atualmente, grande parte das pesquisas online são feitas por meio da busca de voz, e esse número continuará crescendo.

Novas oportunidades de venda com o comando de voz

Deu para perceber que, hoje, as pessoas estão sempre em busca da praticidade

Sendo assim, a obtenção de produtos e serviços também deve ser otimizada. Caso você não ofereça um processo simplificado e rápido para o seu público, é muito provável que ele desista de fechar negócio.

Por esse motivo, muitas empresas vêm investindo em inteligência artificial, o que inclui, é claro, os comando de voz. Assim, reformulam os seus processos para que eles se adequem à essa tecnologia.

Aqui, os bots ativados por voz ganham bastante espaço, afinal, facilitam a navegação, fornecem dados confiáveis e otimizam a interação do cliente com a sua marca por meio dos chats automatizados.

Esse tipo de adaptação interfere até mesmo na forma com que nós lidamos com nossos smartphones, por exemplo.

Você está pronto para o futuro do mercado?

Todas essas informações podem parecer confusas à primeira vista, e até mesmo algo que saiu de um episódio de Black Mirror, mas a verdade é que os comandos de voz prometem ser o futuro do mercado.

E, para sair na frente dos concorrentes e garantir o sucesso de seu negócio, é importante ficar de olho nas tendências da tecnologia. Separamos um material especial e gratuito para você sobre o assunto. Aproveite!

5 erros que devem ser evitados na gestão de agências de marketing

Todos os empreendedores querem ver o seu negócio crescendo e sendo bem sucedido. Para que isso aconteça, contudo, é importante que a gestão de agências de marketing seja feita com cuidado e atenção. Isso porque uma simples falha pode colocar todos os outros processos em risco.

Assim, é comum vermos muitos conteúdos oferecendo dicas preciosas de ações que impulsionam a evolução de sua instituição. Mas também existem alguns erros recorrentes que prejudicam esse progresso e podem ser facilmente evitados.

Hoje, vamos conhecer os cinco erros mais comuns da gestão de agências e entender como não cometê-los.

As consequências das falhas na gestão de agências

As menores das falhas podem comprometer seriamente o andamento de um negócio.

Em diferentes setores, o acúmulo desses problemas atrasam a evolução de um empreendimento. Por exemplo, um planejamento com erros gera problemas para toda a equipe e também afeta diversas etapas do procedimento.

Isso obviamente prejudica o resultado final, seja ele um produto ou serviço, e torna a experiência do cliente em algo negativo. Sendo assim, muitos consumidores deixam de confiar na marca, e a fidelização é colocada em risco.

Felizmente, muitos desses erros podem ser solucionados com maior atenção aos processos e com a criação de uma cultura de crescimento.

Evite esses cinco erros e impulsione o crescimento de seu negócio

Para que o sucesso de seu empreendimento seja garantido, não basta investir em técnicas de marketing, também é preciso tomar cuidado para evitar falhas pontuais que podem causar danos graves a um negócio.

Separamos cinco dicas do que não se deve fazer para evitar esse tipo de problema. Veja:

Não ter metas claras

O crescimento de um negócio depende completamente das metas que são traçadas para ele no início do projeto.

Apesar de elas poderem se transformar ao longo do processo, é importante que elas estejam sempre bem claras na mente de todos os envolvidos. Dessa forma, todo o seu trabalho é feito procurando obter bons resultados de acordo com o que foi combinado.

Quando um trabalho não esclarece quais são os seus objetivos, todos os funcionários ficam à deriva, afinal, as suas metas individuais também são afetadas. Isso impacta diretamente no trabalho realizado e acaba gerando repercussões negativas.

É importante, então, que esses objetivos sejam estabelecidos com atenção, e que sejam repassados para todos os funcionários, estabelecendo, de fato, uma cultura de crescimento.

Não possuir um processo de vendas bem estruturado

Uma empresa que quer ser bem sucedida não pode esperar os clientes virem até ela. É preciso se esforçar para finalizar uma venda e aparecer no radar de seu público-alvo. 

Por isso, negócios que não possuem um processo de captação de consumidores bem definido sofre muito para obter bons resultados: os possíveis clientes sentem a falta de organização, e não obtém a confiança necessária para fechar negócio.

Além disso, padronizar esse procedimento é importante pois também evita a divergência de informações que podem causar problemas bastante sério.

Treinar o time comercial e criar uma estratégia em que todos estejam bem alinhados é essencial para que todas as ações sejam feitas com mais agilidade. Ao mesmo tempo, os frutos colhidos são positivos, afinal, os clientes se sentem mais confiantes e tranquilos em relação ao seu negócio.

Não investir em treinamentos periódicos

O mundo do marketing está em constante evolução, e a gestão de agências deve prever esse tipo de acontecimento!

Profissionais que não atualizam os seus conhecimentos ficam para trás, e empresas que não investem no treinamento de seus funcionários também são prejudicadas pela concorrência. Sendo assim, é importante proporcionar esse momento de aprendizado para todo o time.

Além de mostrar para os seus colaboradores que você se importa com o crescimento profissional deles, esse tipo de ação gera grandes benefícios para a sua própria empresa. Afinal, você garante que todas as equipes estão preparadas para lidar com diferentes situações e desafios.

Não motivar o time

Quando falamos e gestão de agências, muitas pessoas pensam instintivamente no contentamento de seus clientes. Mas a verdade é que se o time de profissionais não está satisfeito com o ambiente de trabalho, a sua performance vai cair, o que abala os resultados gerais.

A falta de motivação entre os colaboradores é um fator que coloca em risco a atuação de toda a equipe, e afeta diretamente na experiência de seus consumidores.

Por esse motivo, é de extrema importância investir em ações que façam o funcionário se sentir próximo à empresa. Reconhecer o trabalho realizado por ele, oferecer ações de endomarketing e agradecer por todo seu esforço são ações simples, mas que transformam positivamente essa relação.

Não ter um plano de ação para momentos de crise

Em situações difíceis, um dos primeiro setores que têm a sua verba cortada ou diminuída é o de marketing.

Essa ação compromete todos os processos em andamento, o que intensifica a crise em questão. Por isso, é importante ter um plano de ação para evitar esse tipo de problema.

Quando possuímos um projeto emergencial, superar desafios se torna mais fácil, afinal, nos preparamos para ele. E, nesse momento, a gestão de marketing é extremamente útil, já que é responsável por encontrar as melhores soluções para o seu negócio.

Quer continuar a evitar erros em sua gestão de marketing e, assim, melhorar todas as suas ações? Separamos um material especial para você. Aproveite!

Sentiment Analysis: insights poderosos para as suas ações

Entender o que os clientes pensam em relação ao seu negócio é muito importante para definir o que precisa ser aprimorado e o que está dando certo. Mas se você quer ir um passo além, o sentiment analysis pode ser exatamente o que você precisa.

Em português, a técnica é chamada de análise de sentimento e se aprofunda na relação do consumidor com a marca.

Mais do que simplesmente entender se aquele cliente está ou não satisfeito com um serviço prestado, também se busca compreender qual é a sua percepção sobre o negócio. Dessa maneira, melhorias podem ser feitas com mais exatidão.

Mas como essa avaliação é feita e quais benefícios pode gerar? É o que vamos descobrir!

Escute o que o seu cliente tem a dizer

Muitas pessoas dizem que o cliente é a alma de um negócio. E elas têm razão: de certa forma, um empreendimento só existe para suprir as necessidades de seu público-alvo. Sem ele, o objetivo de uma empresa é perdido.

Por esse motivo, devemos estar sempre procurando por maneiras diversificadas para escutar e entender, de fato, tudo o que os nossos consumidores têm a dizer.

O sentiment analysis aprofunda essa atividade ao utilizar ferramentas automatizadas que captam todo tipo de comentário feito sobre uma marca. Entretanto, o seu trabalho não para por aí: depois dessa etapa, é preciso analisar o que está por trás daquela crítica.

Ela é positiva ou negativa? O que motivou o usuário a fazer a publicação? O problema pode ser solucionado com facilidade ou precisará de um pouco mais de empenho?

Todas essas perguntas são feitas e, com base em suas respostas, o atendimento é prestado ao cliente.

Por exemplo, muitas vezes fazemos comentários sobre lojas e marcas nas redes sociais. Nem sempre marcamos a empresa na publicação, e mesmo assim recebemos a sua resposta. Isso faz parte da técnica que utiliza ferramentas para fazer essa captação.

Seja com um agradecimento, um pedido de desculpas ou a busca por mais informações, esse tipo de ação gera maior aproximação com o público-alvo.

Não importa se a resposta é automática ou não, o fato é que esse monitoramento fortalece relacionamentos e gera um sentimento positivo sobre a marca, mesmo que o primeiro contato tenha sido negativo.

Os insights provocados pelo sentiment analysis

De acordo com o retorno e o comentário do público, entendemos os pontos positivos e negativos de toda a estratégia comercial atual.

Assim, insights que otimizem esses processos e eliminem erros são criados de acordo com essa relação entre negócio e consumidor, o que cria uma boa percepção geral da marca.

Veja como a análise de sentimento do público pode te ajudar a melhorar o seu trabalho:

Análise do produto

Ao entender o que as pessoas pensam de sua marca, o sentiment analysis permite uma compreensão mais aprofundada de como seus produtos e serviços são recebidos pelo público-alvo.

Você está suprindo todas as necessidades de seus clientes? Existe alguma maneira de alcançar uma parte de consumidores que ainda não está satisfeita com as opções oferecidas? Em relação aos produtos já oferecidos, será que é possível melhorá-los?

Essas são apenas algumas das questões respondidas por essa análise. Até mesmo o preço, a funcionalidade, a divulgação e o design das embalagens entram em observação.

Pesquisa de mercado

Imagine uma pesquisa de satisfação e multiplique os seus resultados. É assim que funciona o sentiment analysis.

Por estar sempre observando o que as pessoas pensam e sentem em relação à marca e ao mercado em geral, você pode entender com mais exatidão como eles se comportam e quais são as suas expectativas em relação a determinado produto ou serviço.

Assim, você consegue implementar as tendências do mercado de maneira mais eficiente, obtendo excelentes resultados.

Pesquisa de competitividade

Conhecer os pontos fortes e fracos de seus concorrentes é importante para que você supra as lacunas de outros atendimentos.

O sentiment analysis fornece essas informações e facilita a criação de novas estratégias com base nesses dados. Dessa forma, você pode ter mais rapidez na hora de se destacar no mercado.

Quer continuar evoluindo o seu negócio e gerando mais resultados? Separamos um blogpost especialmente para você. Confira!

Gestão de sites: dicas essenciais para marcar presença na internet

Vivemos em um mundo moderno e atualizado que usufrui dos benefícios tecnológicos a todo momento. Sendo assim, é importante que as empresas fiquem atentos a essas necessidades para que o sucesso de seu empreendimento não seja abalado. Por isso, mais do que simplesmente possuir um domínio na internet, hoje em dia é preciso investir na gestão de sites.

O grande fluxo de páginas no meio online faz com que a competição nessa área se torne cada vez maior. Assim, é necessário apostar em técnicas que garantam o sucesso de projetos no ambiente digital.

Nesse cenário, a gestão de sites se destaca por apresentar uma série de soluções que tornam uma página relevante na internet, o que obviamente aumenta a sua popularidade e o seu fluxo.

Mas por que o meu negócio precisa ter um site?

Já parou para pensar em como a nossa vida, atualmente, revolve em torno da internet? Sempre que precisamos fazer uma pesquisa, recorremos aos buscadores online.

E, se o seu negócio não possui um site institucional, vai ficar de fora do fluxo de resultados, o que impacta diretamente na venda de suas soluções e produtos.

Para obter sucesso no mundo dos negócios, portanto, é imprescindível marcar presença na área digital. Caso contrário, a perda de clientes é inevitável.

Mas, como você já deve ter imaginado pelas informações que soltamos acima, é preciso que esses sites sejam montados com atenção. Mais do que isso, a sua gestão deve ser feita com cuidado, e seguindo algumas táticas que garantam o seu sucesso.

3 dicas para garantir uma boa gestão de sites

Existem alguns critérios básicos que devem ser levados em consideração na hora de criar um site. Sua responsividade, por exemplo, é extremamente importante.

Isso porque podemos acessar uma página na internet de diferentes dispositivos: desktop, smartphones, tablets…

As opções são infinitas, e é importante que o nosso site se adapte a todas as diferentes telas para suprir diferentes necessidades sem que as informações fiquem desorganizadas e o layout e o design sejam afetados.

Esse fator é um ponto positivo para qualquer gestão de sites, e é um dos fatores que precisam ser pensados no momento da criação do website.

E, tratando de design, é interessante em apostar naqueles que são intuitivos. Eles podem parecer mais simples, mas facilitam a navegação dos futuros usuários, o que diminui a taxa de rejeição.

Agora que já conhecemos os conceitos básicos, estamos preparados para nos aprofundar na gestão de sites!

Ofereça conteúdo de qualidade

Educar o seu público ao disponibilizar conteúdos interessantes e pertinentes sobre o segmento em que você atua oferece vários benefícios.

Isso porque, além de divulgar o seu trabalho e suas soluções, você também se torna referência no assunto.

Dessa forma, a sua marca ganha maior credibilidade, o que pode aumentar as vendas.

Além disso, ao mesmo tempo em que você incrementa o conhecimento de clientes antigos com esses conteúdos, também atrai novos leads que podem fechar negócio no futuro.

Como? Por meio da indexação de palavras no Google. A criação e o desenvolvimento de pautas com temas interessantes para o mercado, portanto, é bastante importante.

Um espaço para blog irá tornar possível a indexação de diversas palavras estratégicas, mostrando seu site como resultado nos motores de busca e aumentando a relevância do domínio.

Nesse caso, o responsável pela gestão de site irá definir a frequência dessas publicações.

Mantenha o site sempre atualizado

Por falar em frequência, é necessário ter em mente que é muito importante manter o site atualizado.

Caso muito tempo passe sem a publicação de um novo conteúdo, os visitantes podem ter a impressão de que o site está abandonado.

Então, é preciso ficar atento para não deixar isso acontecer. Aqui, é interessante contratar agências especializadas nessa produção de conteúdo para que a atividade não acabe passando batida pela correria do dia a dia.

Crie uma boa estratégia de marketing

Para que as ações citadas obtenham resultados eficientes, é preciso que elas sejam feitas com base em uma boa estratégia de marketing.

É importante levar em consideração o público que queremos chamar a atenção, estudando o seu comportamento e criando uma metodologia combine com as suas necessidades.

Além disso, campanhas como a de SEO, Google Ads e aquelas que são feitas para redes sociais também são essenciais.

Elas ajudam a divulgar o site e garantem o seu excelente posicionamento nos buscadores online, o que aumenta os cliques e as vendas.

Bônus: não se esqueça das redes sociais!

O Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de países que mais utilizam redes sociais, ficando atrás somente das Filipinas. Por isso, alimentar esse meio com conteúdos relevantes é algo essencial na gestão de sites

Ao mesmo tempo em que se cria uma relação mais próxima com o público de cada aplicativo, essa atividade divulga o site e gera mais engajamento com as publicações já feitas.

Mas lembre-se de ter cuidado com o fluxo de posts para não sobrecarregar os seus seguidores.

E, se você quiser inspiração para criar e fazer a gestão de sites de maneira eficiente, conheça o portfólio da Layer Up! Já desenvolvemos sites para diversos setores.

Impulsione suas vendas com as plataformas digitais certas

O modelo tradicional de fazer negócios ficou no passado. Hoje, é importante inovar e conhecer tecnologias capazes de captar cada vez mais clientes. Por isso, investir em plataformas digitais se tornou essencial.

Mas, em meio a tantas opções, como escolher aquelas que realmente vão gerar bons resultados? Essa é a dúvida de muitas pessoas, principalmente daquelas que estão iniciando a sua jornada nesse universo.

Pensando nisso, criamos um conteúdo que não somente lista alguns programas que são interessantes e eficazes, mas também explica um pouco mais sobre essa área em ascensão em diferentes empresas e negócios. Confira já!

O avanço da tecnologia no mundo

Não importa para onde você olhe: a tecnologia está presente em todo lugar. E, no mundo dos negócios, isso não seria diferente.

Se antes as pessoas dependiam do papel e da caneta para realizarem os seus trabalhos, hoje elas recorrem à computadores e smartphones. Agora, tudo é feito digitalmente, e para continuar a exercer diferentes funções, é preciso se adaptar a essa nova realidade.

Se um negócio procura deixar a sua marca na sociedade e fazer sucesso entre o seu público, é necessário estar preparado para utilizar as plataformas digitais ao máximo.

Além de melhorar os números da sua empresa, esses programas te ajudam a organizar os dados de seus possíveis leads, clientes ativos e até mesmo do serviço prestado por você.

A importância das plataformas digitais: como elas funcionam?

Muitas pessoas enxergam a tecnologia como um empecilho em suas vidas. Mas a verdade é que as plataformas digitais e diversas outras soluções foram criadas com o intuito de beneficiar os seus usuários.

Sendo assim, quando utilizados nas estratégias de marketing e geração de leads de um negócio, eles buscam impulsionar as vendas.

Isso porque, com as ferramentas corretas, é possível organizar todas as informações importantes de um empreendimento de maneira prática e eficiente.

Além de gerenciar a base de leads, facilitar a sua segmentação e oferecer maior conhecimento sobre a jornada de compras dos clientes, esses aplicativos auxiliam no monitoramento das redes sociais e na análise palavras-chave.

Com relatórios personalizados, essas plataformas disponibilizam todos os dados que precisamos para incrementar a estratégia de vendas e garantir o sucesso deste trabalho.

Dê o primeiro passo em direção ao futuro

Ao fazer uma pesquisa rápida, você vai perceber que existem inúmeras plataformas digitais disponíveis no mercado.

Em meio a tantas opções, é comum experimentar certa dificuldade na hora de escolher aquelas que farão parte da sua estratégia de marketing.

Para facilitar esse momento tão importante para o seu negócio, indicamos três  ferramentas eficientes que apresentam excelentes resultados.

Está pronto para dar o primeiro passo em direção ao futuro?

1. Salesforce

Encontrar os leads que mais combinam com o seu negócio é apenas uma das funções do Salesforce.

Essa plataforma auxilia no gerenciamento da base de dados dos seus clientes, o que facilita a comunicação entre lead e vendedor. Além disso, possui uma interface responsiva, ou seja, pode ser acessada de diferentes dispositivos.

2. SugarCRM

Fácil de utilizar, a SugarCRM é uma ferramenta de vendas bastante intuitiva. Perfeita para iniciantes e pessoas que nunca tiveram contato com esse tipo de plataforma, oferece automação de marketing, vendas e suporte.

Por isso, pode ser uma boa alternativa para quem quer experimentar um pouco desse universo.

3. Pipedrive

Visualizar todas as suas vendas, mesmo aquelas que se encontram em diferentes estágios, de maneira prática e fácil pode lhe ajudar a otimizar processos. É com base nessa necessidade que o Pipedrive surgiu.

Perfeito para ser utilizado como um gerente de vendas, ele permite o acompanhamento do progresso de diferentes vendas de maneira individual, bem como as ofertas disponibilizadas aos leads.

Alavanque as suas vendas com a Layer Up

O marketing é uma arte que em constante evolução! Estamos sempre inovando e incorporando novas técnicas que garantem o sucesso de um negócio e alavanca as suas vendas.

Separamos um conteúdo especial sobre a conexão entre esses dois times para você. Não deixe de conferir!

Big Data: onde estão as empresas brasileiras?

A tecnologia está em constante evolução, e ficar atento às tendências desse mercado pode ser um desafio. Existem diferentes conceitos que buscam revolucionar os negócios, e o Big Data é um exemplo bastante eficiente.

Diante de tantas opções, muitas vezes algumas técnicas acabam passando despercebidas. Por isso, é necessário conhecer todas as novidades para ter a certeza de que o seu negócio está atualizado.

O Big Data oferece grandes vantagens a empresas de diferentes segmentos. Mas como isso acontece? Como funciona essa metodologia? Quais são os seus objetivos, e como os seus resultados são implementados em um negócio? É o que vamos descobrir!

Análise de dados e os 5 V’s: conhecendo Big Data

A análise de dados se tornou indispensável em diferentes negócios. Entretanto, para que ela realmente seja eficiente, é preciso saber utilizar as informações fornecidas de maneira eficiente.

Muitas das vezes contratamos serviços que nos oferecem uma série de relatórios, mas não sabemos o que fazer com aquele grande volume de dados. O Big Data surge como uma solução para este problema.

Isso porque ele centraliza as informações obtidas por meio de diferentes origens (sendo elas externas ou internas) e identifica a semelhança ou padrões existentes entre elas. Depois, o processamento desses dados é realizado de maneira automática, criando as estatísticas relacionadas ao negócio em questão.

Assim, analistas são capazes de catalogar esses padrões e utilizá-los de forma eficiente na área em que atuam, obtendo bons resultados.

Não só isso: ao entender as tendências do mercado por meio de análises mais aprofundadas, é possível se preparar para o futuro do segmento e se adaptar a ele previamente.

Para que isso seja possível, o Big Data se baseia em alguns princípios que ficaram conhecidos como os 5 V’s. Vamos conhecê-los.

Volume

Como já falamos, o Big Data analisa dados de origens variadas. Por isso, lida com um grande volume de informações.

Hoje, com as redes sociais e os smartphones, essa quantidade multiplica exponencialmente. Afinal, estamos sempre conectados e compartilhando conteúdo, o que gera dados a serem processados.

É importante, então, que o Big Data seja capaz de lidar com esse alto fluxo.

Variedade

Redes sociais, pesquisas de mercado, cadastros de clientes, pesquisas, dispositivos eletrônicos: são muitas as origens dos dados analisados pelo Big Data, e manter a variedade é de grande importância.

Ao entender o comportamento de clientes de diferentes perfis, cria-se técnicas mais eficientes para que a venda seja feita.

Nesse caso, é necessário lidar com dados estruturados (aqueles que são colocados em um banco de informações assim que coletados) e não estruturados (aqueles que ainda não foram catalogados).

Velocidade

Encontrar padrões de forma rápida e eficiente é extremamente importante quando tratamos do Big Data.

Lidamos com dados de variadas origens que chegam constantemente à base de informações. Caso eles não sejam processados de maneira ágil, começam a acumular, e os resultados são prejudicados.

Essa computação deve possuir grande capacidade operacional. Hoje, os sistemas na nuvem vêm ganhando espaço por seu bom desempenho e baixo custo.

Veracidade    

Reunir e analisar uma série de dados sem ter certeza de sua veracidade é uma perda de tempo. Informações falsas comprometem todo o trabalho.

Sendo assim, é necessário filtrar os relatórios obtidos para ter a certeza de que somente dados verdadeiros passam para a próxima fase.

Ao mesmo tempo, é preciso ter cuidado para utilizar apenas informações que sejam pertinentes ao trabalho dos analistas no momento da coleta.

Valor

Depois que as análises são feitas, é importante saber utilizar as estatísticas obtidas de forma a agregar valor ao trabalho realizado por um negócio. Caso contrário, tudo terá sido feito em vão.

Por isso, é necessário ter um time competente que saiba lidar com um grande fluxo de dados e consiga aplicá-los aos processos de uma empresa.

Por onde começar?

Deu para perceber que o Big Data pode ser empregado de diversas maneiras em um só negócio, não é mesmo?

Por estarmos lidando com dados variados, eles são aplicáveis em diferentes segmentos e áreas de um mesmo setor. Mas, para que os resultados sejam satisfatórios, é preciso identificar as melhores maneiras de implementar tais informações.

Além disso, é interessante investir na cultura data driven, ou seja, guiada por dados. Educar os funcionários e todo o time e fazê-los entender a importância dessas informações e sua aplicação é o primeiro passo que deve ser tomado.

Big Data no Brasil: mercado com grande potencial

Estamos tratando de uma técnica de grande importância para todos os negócios. Por isso, é de se esperar que ela seja popular nas empresas brasileiras. Mas essa ainda não é uma realidade.

A divulgação da TIC Empresas 2019 mostra que a cultura data driven ainda não é disseminada no país.

Podemos perceber isso pelo fato de que, em 2019, somente 4% das empresas brasileiras afirmaram que realizaram a análise de Big Data. Esse dado mostra que ainda temos um caminho a ser percorrido até que tais análises se tornem naturais no Brasil.

Em outras palavras, existe um vasto mercado a ser educado, explorado e aproveitado pelas empresas de tecnologia!

Até lá, é possível afirmar que grande parte dos negócios perde oportunidades para aqueles que já deram um passo na direção do futuro.

Mercado de tecnologia: atualize seus conhecimentos e construa benchmarking

Conhecer e experimentar as tendências tecnológicas é imprescindível para obter bons resultados no mundo atual!

Por isso, a Layer Up organizou um evento online e gratuito de imersão no setor de tecnologia: o Benchtech!

O evento foi realizado no dia 12 de agosto de 2020 e teve dez horas de conteúdo sobre transformação digital, marketing, vendas, customer success e transformação analítica, tudo voltado para o segmento.

É sua chance de descobrir as estratégias que grandes players do mercado estão adotando e construir um benchmarking completo, analisando a concorrência e acompanhando tendências. No link abaixo você garante acesso a todas as palestras gravadas. Confira: 

As mudanças causadas pela Covid-19 no marketing digital

A pandemia provocada pelo novo coronavírus mobilizou o mundo inteiro. Todos os países foram obrigados a rever processos e conceitos. Isso resultou na modificação da forma de trabalho em diferentes áreas, e é claro que o marketing digital não passou ileso por essa situação.

Diante desse cenário, elementos fundamentais para o segmento foram modificados. Agora, existe atenção redobrada no que diz respeito ao tom, ao visual e às produções do mundo do marketing digital.

Mesmo que seja feita a decisão de não citar, diretamente, a situação em questão, é preciso ter cuidado para não soar insensível.

Os profissionais devem ficar atentos a todas as rápidas transformações que vêm sendo implementadas nesse momento. Dessa forma,  serão capazes de se adaptar às novas necessidades.

Adapte processos antigos de acordo com as exigências do mercado

A maneira como nos comportamos mudou com a chegada da quarentena e do isolamento social. Sendo assim, processos antigos do marketing digital não são mais eficazes, afinal, não atendem às dores e desejos do público.

Mas isso não significa que todas as técnicas utilizadas previamente são descartáveis. É possível adaptá-las para, assim, obter bons resultados.

Isso diz respeito às peças antigas e também a todo o planejamento de marketing que foi criado no momento pré-pandemia. Não precisa se desfazer delas; simplesmente ajustá-las é o suficiente.

Depois dessa adequação, o primeiro passo que deve ser tomado é entender que as soluções de curto prazo são as melhores medidas atuais. Isso porque com a mudança acelerada, não faz sentido criar planos de ação longos e que se estendam por muito tempo.

Levar uma semana de cada vez é ser a melhor saída. Assim, a assertividade dos processos é garantida e os planejamentos se tornam mais pontuais.

Naturalmente, a reavaliação das estratégias se torna uma atividade constante. Dessa forma, é possível criar táticas que conversem com o momento atual, que possui várias nuances.

Nesse sentido, também é preciso ficar atento à linguagem utilizada nas peças de marketing digital.

Você escolhendo ou não falar sobre a pandemia, é importante ter cuidado para não acabar, inconscientemente, incentivando ações que vão contra as medidas de combate ao coronavírus.

Esse tipo de deslize pode manchar a imagem da marca e dar a impressão de que ela não se importa com o bem-estar físico de seus clientes, algo que precisa ser evitado a qualquer custo pelo marketing digital. Então, fique atento!

O marketing digital pós-pandemia: o “novo normal”

Muitas pessoas falam que, em breve, tudo voltará ao normal. Mas o que isso significa?

A verdade é que o processo de adaptação será, mais uma vez, imposto sobre a sociedade. Iremos viver um “novo normal”, e isso quer dizer que mesmo após a pandemia, continuaremos a rever processos.

O home office, por exemplo, era altamente evitado por várias empresas, inclusive algumas que trabalham com marketing digital. Com a quarentena, isso mudou.

De acordo com estudo desenvolvido por André Miceli, coordenador do MBA em Marketing e Inteligência de Negócios Digitais da Fundação Getúlio Vargas, o trabalho remoto sofrerá um aumento de 30% após o isolamento social.

Esse fato indica que, diante de tantos desafios, as empresas enxergaram uma nova forma de serviço, que oferece mais benefícios tanto ao trabalhador quanto ao empregador.

A utilização de novas ferramentas digitais indica que o marketing digital continua sendo altamente eficaz, mesmo quando os profissionais trabalham em diferentes locais.

Além disso, esses mesmos instrumentos online, que foram descobertos ou mais utilizados durante a pandemia, facilitam várias ações.

Reuniões com clientes que muitas vezes eram adiadas por conflito de agendas e problemas de locomoção, por exemplo, podem ser realizadas com mais facilidade. Isso é algo que vai perdurar mesmo após a quarentena.

A relação entre empresas e clientes, portanto, se tornou ainda mais estreita durante esse momento, assim como a proximidade entre os times e os funcionários de um negócio aumentou.

Você está preparado para o futuro do marketing digital?

As mudanças causadas pela Covid-19 pegaram todas as pessoas de surpresa. Mas é possível se adaptar a essa nova realidade do marketing digital com o apoio de agências que facilitem essa transição.

Nós desenvolvemos um material completo e gratuito sobre gerenciamento de crise principalmente em temos de coronavírus especialmente para você. Confira!

Gestão de Crise - Conteúdos Layer Up

 

Equipe de vendas: como encontrar e capacitar profissionais para vender mais?

A área comercial de uma empresa influencia diretamente no trabalho de todos os outros setores e no sucesso do negócio. Por isso, é preciso que a equipe de vendas seja composta por profissionais talentosos, atenciosos e que estejam prontos para crescer.

O processo seletivo deve ser feito com muita atenção para que os resultados após a contratação sejam satisfatórios.

Nesse cenário, existem algumas dicas e características que podemos procurar em um candidato para aperfeiçoar essa metodologia. 

Mais do que isso: depois da admissão, é importante ficar atento e oferecer as condições necessárias para que o contratado possa realizar um bom serviço.

As principais dificuldades na hora da contratação da equipe de vendas

No momento de contratar aquele funcionário que irá fazer parte da sua equipe de vendas, é necessário procurar entender se ele irá combinar com o ritmo e cultura de sua empresa.

Uma pessoa que vem de uma empresa convencional, por exemplo, pode ter certas dificuldades ao atuar em uma startup, assim como o contrário pode ocorrer.

É preciso “encontrar profissionais que efetivamente tenham o ritmo que a sua empresa precisa”, afirma Gustavo Salles, CEO da SalesHunter, em entrevista concedida à Layer Talks.

Então, caso essa divergência ocorra, é importante estar preparado para dar aquela forcinha extra ao profissional.

Outro ponto que deve ser destacado é que você deve conhecer bem quais são as necessidades de sua empresa.

Se você quer vender soluções mais simples, pode contratar um vendedor júnior. Mas, caso o objetivo seja oferecer serviços mais complexos, será preciso procurar alguém com mais experiência.

E não se esqueça: para atrair bons funcionários para a sua equipe de vendas, você deve possuir uma boa infraestrutura, ter processos bem definidos e oferecer um salário condizente com o cargo.

Quais são as habilidades que não podem faltar em uma equipe de vendas?

Existem certas características que são imprescindíveis em um vendedor. Algumas delas são naturais de sua personalidade; outras são adquiridas com o tempo. De forma geral, uma boa equipe de vendas precisa ter:

De maneira geral, um vendedor deve ter sede por conhecimento para não ficar para trás diante das novidades. Ele está sempre estudando, trazendo novos processos à equipe de vendas e procurando entender todas as suas ações em uma estratégia.

Como identificar essas características em uma entrevista?

Para identificar os atributos citados acima, é preciso ficar atento à forma com que o candidato se apresenta. Por isso, Gustavo afirma que o vendedor é avaliado “desde o primeiro segundo, desde o primeiro contato”.

A demonstração genuína de interesse, por exemplo, é um bom sinal.

Isso pode ser percebido de maneira bastante simples: uma pessoa preparada fez a pesquisa necessária antes de comparecer à entrevista (o que demonstra o seu caráter curioso), prestou atenção à descrição da vaga (de forma a evitar perguntas desnecessárias), pesquisou a história da empresa, entre outros.

Tudo isso faz parte do que chamamos de Nível de Rapport. Essa demonstração de interesse e adaptação ao ambiente, prende a atenção e faz com que outras pessoas se sintam importantes. Em uma equipe de vendas, isso é importante, pois ajuda na captação de novos clientes.

Mas fique atento: essa demonstração “tem que ser algo muito natural e verdadeiro, o candidato tem que estar realmente interessado na empresa”, afirma Samira Cardoso, CEO da Layer Up.

Caso contrário, pode oferecer o resultado contrário do esperado justamente por ser muito exagerado.

Além disso, vendedores também trazem cases, nomes e números. Eles não têm medo de falar sobre o seu sucesso e sobre o seu processo de vendas. Assim, ele demonstra que sabe exatamente o que está fazendo.

Personalize as etapas de contratação

No momento de criar as etapas de contratação, fique atento às necessidades de sua equipe de vendas. Eles estão precisando de um profissional júnior ou sênior?

Somente a resposta dessa pergunta já vai gerar diferenças nas fases das entrevistas, afinal, “cada cenário e cada posição compete em um tipo de avaliação”, explica Gustavo.

Uma vaga que busca um funcionário júnior, por exemplo, pode exigir testes comportamentais e de lógica. Um funcionário sênior já não necessita mais desse tipo de avaliação e o importante é focar em seus trabalhos anteriores.

Na hora de fazer a pré-seleção dos candidatos, é importante prestar atenção se eles atendem aos critérios básicos. Nesse momento, você provavelmente irá diminuir bastante a lista.

Depois, contate os profissionais que continuaram na disputa e peça para eles sintetizarem a sua trajetória em poucos parágrafos ou minutos (depende de como essa etapa será realizada). Assim, é possível ver quem tem capacidade de comunicação e fala sobre o que realmente importa.

Isso é interessante, pois muitas vezes o tempo de contato com o cliente é pouco, então o candidato precisa ter a capacidade de sintetizar e transmitir os pontos mais importantes.

Na terceira etapa, é preciso conversar sobre os desafios, ferramentas e objetivo do cargo para saber como o candidato responde às informações e ter a certeza de que ele está pronto para esse desafio.

Por fim, podemos passar os dados daqueles que mais se deram bem nas fases anteriores para o setor de RH ou para o CEO para termos a resposta final e sabermos se realmente deu match entre a empresa e o candidato.

E depois da contratação?

Após a contratação, é importante oferecer o suporte necessário para que o novo funcionário faça um bom trabalho e apresente bons resultados à equipe de vendas.

Por isso, é interessante ter um playbook, que explique de forma simples como funcionam os processos da empresa e quais são os seus principais objetivos. Assim, podemos começar a integrar o novo vendedor.

Fazer com que profissionais novos e antigos interajam, troquem experiências e se comuniquem de forma geral também é uma excelente tática. Além de facilitar a adaptação do vendedor, faz com que ele entenda, na prática, como é o trabalho realizado na empresa.

Não se esqueça de deixar todas as ferramentas configuradas antes da chegada do profissional. Uma dica oferecida pelo Gustavo é “fazer um checklist para garantir que você está oferecendo todas as condições necessárias”.

Assim, você faz com que o profissional se desenvolva desde o primeiro momento, e ele poderá acessar tudo o que precisa sem nenhum tipo de atraso. Alinhar o trabalho e monitorar o que está sendo feito também é importante.

Se a vaga for presencial, reuniões semanais são uma ótima forma de fazer esse acompanhamento. Caso a função seja remota, calls diárias, no início e final do expediente, são interessantes.

E o comissionamento da equipe de vendas?

Por fim, chegamos ao comissionamento. De maneira geral, contratar um vendedor sem oferecer comissão não funciona.

Essa ação acaba desmotivando o profissional, o que afeta todo o trabalho da equipe de vendas. Por isso, é praticamente impossível fugir dessa questão.

Sendo assim, é importante saber que o comissionamento sempre tem que estar atrelado aos interesses da empresa.

Se você quer vender os pacotes mais caros, deve estar disposto a aumentar a comissão do vendedor.

Caso contrário, ele vai continuar vendendo os mais baratos, que são mais fáceis de fechar negócio, pois não vai se sentir estimulado a realizar um trabalho mais complexo.

Lembre-se: a comissão tem que ser um atrativo, algo que faça o vendedor olhar e batalhar por cada centavo, cada lead e cada venda.

E agora? Está se sentindo mais preparado para formar a sua equipe de vendas?

Confira nosso Layer Talks

Esse conteúdo foi desenvolvido com base em um Layer Talks com a participação de Gustavo Salles, CEO da SalesHunter. Confira na integra:

Call to action saber mais blog - Marketing digital e vendas

3 ferramentas indispensáveis para Growth Marketing

Crescer: esse é um dos maiores desejos de todas as agências, empresas e startups. E, para que essa operação seja bem sucedida, é preciso investir em técnicas que proporcionem a evolução do empreendimento, como é o caso do growth marketing.

Também chamada de marketing de crescimento, essa estratégia promove o progresso acelerado de um negócio. Ela tem como objetivo não somente atrair o maior número de clientes possíveis, mas também oferecer uma experiência positiva a eles. Assim, o processo de fidelização é iniciado.

Mas por que isso é importante? Simples: clientes engajados, além de utilizarem seus produtos e soluções com mais frequência, também indicam o seu trabalho para conhecidos.

O growth marketing, portanto, procura impulsionar esse crescimento por meio de técnicas que foquem 100% na prosperidade de um empreendimento e na retenção do público alvo.

A evolução é constante

Não importa se o seu negócio é grande ou pequeno, a verdade é que crescer nunca é demais. E, para que isso seja viável, é necessário quebrar barreiras e tradições ao investir em novas possibilidades.

O marketing de crescimento propõe o uso de técnicas já conhecidas nesse universo, porém de forma diferenciada.

Isso porque o propósito é transformar os clientes em vendedores de uma maneira natural e orgânica.

Parece estranho, não é mesmo? Mas a verdade é que isso é feito sem nem ao menos percebermos!

O Nubank, por exemplo, conquistou um público muito fiel por meio do “boca a boca”. Clientes satisfeitos e felizes com as soluções que receberam passaram a indicar o serviço para amigos e familiares.

Logo o que era um banco digital relativamente novo e desconhecido se tornou uma plataforma bastante disputada.

Instrumentos que não podem faltar em sua estratégia de growth marketing

Você deve estar se perguntando: como alcançar esse nível de sucesso? Antes de tudo, é preciso entender que, em sua estratégia de growth marketing, medir a satisfação dos clientes é indispensável.

Por isso, é importante ficar atento e procurar sempre por novas ferramentas que sejam eficientes, ofereçam bons resultados e forneçam as informações que você busca. Assim, você poderá utilizar os dados ao seu favor.

Vamos conhecer três exemplos que, atualmente, são essenciais!

Google Analytics

A experiência do cliente é uma das maiores preocupações do growth marketing.

Para que a satisfação seja garantida, é preciso que o seu negócio esteja preparado para se adaptar constantemente às necessidades do público-alvo. Por isso, entender como ele está se relacionando com o seu negócio é importante.

O Google Analytics é uma ferramenta bastante conhecida no mundo do marketing digital. Mas, para observar todos os seus benefícios, é preciso entender quais são suas funções e utilizá-las ao máximo.

Dentre algumas das informações que ele fornece, podemos destacar: origens dos visitantes, comportamento dos usuários, taxa de conversão, entre outros.

Assim, você consegue entender um pouco mais sobre o funcionamento do seu negócio no universo online e fazer as melhorias necessárias para captar e reter mais leads.

Hotjar

O Hotjar também é uma ferramenta que analisa o comportamento do seu cliente.

Ao oferecer maiores recursos, ele permite que você obtenha informações pertinentes sobre o usuário que está interessado em suas soluções de maneira mais aprofundada.

O mapa de calor é uma de suas principais características. Isso porque ele facilita a visualização de todo o caminho percorrido pelo internauta, destacando os pontos fortes e fracos de seu site.

Além disso, ele também permite a realização de pesquisas com usuários, o que ajuda a entender o que eles buscam em seu negócio.

E não se engane: ele pode parecer mais evoluído do que outras ferramentas, mas o ideal é que você combine os dados fornecidos por ele com os do Google Analytics, por exemplo, para potencializar o aprendizado.

Google Tag Manager

Até mesmo os mínimos detalhes devem ser analisados pelo growth marketing. Afinal, a transformação que o seu empreendimento precisa pode estar escondida!

Por isso, o Google Tag Manager é uma ferramenta que não pode ser deixada de lado.

Com o intuito de oferecer maior autonomia para o profissional de marketing, ele automatiza e gerencia a colocação de tags de acompanhamento de seu site. Assim, você consegue monitorar as informações de diversas páginas de maneira mais prática e eficiente.

Os dados fornecidos por essa ferramenta irão guiar o seu trabalho no momento de criar campanhas em redes sociais, por exemplo, pois você terá as informações necessárias para entender quais materiais irão obter maior sucesso.

Growth marketing ≠ Growth hacking

No segmento de marketing digital, somos capazes de encontrar inúmeras técnicas. Por isso, é comum confundir algumas delas, seja pelos seus nomes parecidos ou objetivos em comum.

Ao procurar por growth marketing, por exemplo, muitas vezes somos bombardeados por informações que dizem respeito à outra técnica dessa área: o growth hacking.

Embora as nomenclaturas sejam bastante similares e o propósito de ambas seja garantir o sucesso e o crescimento acelerado de um negócio, as estratégias utilizadas por elas são diferentes.

Enquanto o growth marketing utiliza um método que necessita de bastante esforço e tempo para promover resultados, o growth hacking consiste em pequenos ajustes em uma estratégia já criada, para que um impulso seja gerado em sua tática.

Felizmente, somos capazes de unir diferentes técnicas para obtermos resultados completos e satisfatórios. Podemos, por exemplo, integrar o growth hacking em um plano já pronto de growth marketing.

Mas tenha calma: devemos ficar atentos às necessidades de nossos negócios para, assim, inserir novas técnicas em momentos estratégicos.

Caso contrário, acabaremos dando o passo maior do que a perna. Quer saber mais sobre como gerar ótimos resultados para a sua empresa? Podemos te ajudar.

Separamos um material completo sobre o Account Based Marketing, outra estratégia desse segmento que pode te auxiliar na criação de campanhas personalizadas. Confira:

O growth marketing é uma estratégia que promove o crescimento de um empreendimento. Conheça três ferramentas que auxiliam nesse processo:

Podcast: um guia completo sobre o modo de consumo de informação em áudio

A transformação é algo que faz parte da humanidade. É por isso que a comunicação se adapta frequentemente às necessidades da civilização. Diante desse cenário, o podcast surgiu e rapidamente ganhou grande popularidade.

Seja pela falta de tempo ou pela rotina corrida, as pessoas buscam sempre pela praticidade. Por conta desse fator, a entrega de informações foi obrigada a se adaptar à nova realidade da sociedade.

Hoje, é muito difícil uma pessoa parar todas as suas atividades para se informar sobre o que acontece no mundo. Mas isso não quer dizer que elas não tenham interesse nesse tipo de informação!

Assim, comunicadores pensam constantemente em ferramentas e técnicas que otimizem o consumo de conteúdo.

Aumente o som: o crescimento do podcast

Aprimorar o seu conhecimento, obter informações sobre novos assuntos, se atualizar sobre o que está acontecendo no mundo: essas são apenas algumas vantagens proporcionadas pelos podcasts.

Esse novo meio de comunicação funciona como um rádio. O diferencial que o torna tão atrativo é o fato de que o conteúdo disponibilizado pode ser acessado a qualquer momento e aborda diferentes assuntos.

Antes, eles não possuíam um canal específico para serem veiculados. Conforme foram ganhando mais popularidade, serviços de streaming como o Spotify, o Deezer e a Apple Music passaram a abrir maior espaço para esse produto. Hoje, o podcast online ganhou um público fiel.

Uma pesquisa realizada pelo Podcast Stats Soundbites indica um crescimento muito grande de ouvintes no Brasil. Em 2009, o número de downloads de podcasts no país não chegava ao top 10 do ranking. Dez anos depois, em 2019, fica apenas atrás dos EUA, com mais de 100 milhões de reproduções!

Podcast e negócios: essa combinação dá certo?

No universo do podcast, as opções são ilimitadas!

Isso quer dizer que os ouvintes são capazes de encontrar canais que abordam assuntos bastante distintos. Enquanto alguns utilizam esse meio para discutir temas como cinema e televisão, por exemplo, outros falam sobre economia, sexualidade e vários outros tópicos.

Por causa disso, empresas e agências enxergaram no podcast online uma oportunidade de investimento. Veículos de comunicação famosos e grandes no Brasil, como a Folha de S. Paulo e o Estadão, já oferecem esse produto para o seu público!

Mesmo assim, muitos acreditam que essa combinação não dá certo e não atrai uma plateia fiel. Na verdade, essa técnica vem ganhando muitos adeptos justamente por provar o contrário.

Isso porque, com ela, você consegue engajar clientes, divulgar o trabalho realizado pelo seu negócio e demonstrar todo o seu conhecimento e autoridade no assunto. Mais do que isso, faz com que o nicho de interessados se expanda.

Ou seja, o podcast também pode ser um meio para que você aumente a popularidade de um segmento específico. 

5 passos importantes para garantir o sucesso de seu podcast

Existe a ilusão de que criar um podcast online é algo muito fácil de ser feito. Afinal, todas as pessoas possuem um gravador no celular.

Entretanto, criar um conteúdo profissional, que realmente seja capaz de captar a atenção do público, é um grande desafio.

Programas amadores podem fazer certo sucesso mas, a longo prazo, é importante que eles evoluam e ofereçam um produto de maior qualidade.

Com isso em mente, separamos 5 passos importantes que você deve levar em consideração na hora de gravar o seu podcast. Confira!

Planejamento

Antes de tudo, é importante não deixar que a empolgação faça você cometer erros.

Pare, respire fundo e se prepare para planejar com atenção os mínimos detalhes e elementos que irão compor o seu podcast.

Primeiro, é necessário ter em mente qual é o tema principal que o seu projeto irá abordar. A partir dele é possível criar uma lista com todos os assuntos que poderão ser discutidos no futuro, e ter isso bem claro logo no início do trabalho ajuda a não cometer erros.

Depois, é preciso estabelecer qual é o público que você quer atrair. Isso irá direcionar todos os outros passos e irá te ajudar a criar a persona que vai conversar com esse alvo.

Equipamentos

Já falamos sobre a importância de oferecer um conteúdo de qualidade para os ouvintes. No caso do podcast online, isso não se refere somente àquilo que é falado durante o episódio, mas também com quais equipamentos o programa é gravado.

Um áudio limpo e sem a presença de barulhos externos é essencial por dois motivos: passa a sensação de profissionalismo, e também gera maior conforto para o público.

Por isso, é importante investir nesse quesito. Utilizar microfones próprios ao invés daquele presente em fones de ouvido, que acabam gerando ruídos, é um ponto que deve ser levado em consideração.

Sabemos que nem todas as pessoas podem gravar o podcast em um ambiente isolado acusticamente. Mas sempre é possível procurar por locais mais tranquilos.

Em sua própria casa provavelmente existe aquele cômodo calmo, raramente visitado por outros moradores; ele pode se tornar o seu estúdio!

Roteiro

Muitos possuem uma grande aversão aos roteiros de podcast online. Isso acontece porque, na verdade, as pessoas têm medo de que a conversa perca a naturalidade e se torne mecanizada.

É interessante lembrar que a função do roteiro é apenas guiar os participantes para que eles não se percam durante a gravação, e não ditar todas as partes da conversa.

Sendo assim, esse documento não precisa ser extenso. Você pode, inclusive, anotar somente os pontos-chave para que eles não sejam esquecidos. Veja um exemplo prático:

  1. Vinheta de início
  2. Apresentação dos convidados
  3. Introdução ao tema
  4. Tópicos a serem abordados
  5. Encerramento
  6. Vinheta de encerramento

Pode parecer algo sem muita importância, mas essa simples atividade ajuda muito na hora da gravação!

Edição

Editar um áudio é uma tarefa complicada, principalmente para iniciantes, mas é uma etapa que não pode ser evitada.

Aqui tratamos não somente dos efeitos que serão colocados ao longo do episódio – músicas, vinhetas, entre outros – mas também do tratamento do arquivo.

Retirar ruídos, aumentar ou diminuir o som, deixar as vozes mais claras: tudo isso é feito por meio da edição.

Essas técnicas tornam a experiência de escutar o programa mais agradável. Uma pessoa com fones de ouvido, por exemplo, não vai sofrer com sons muito altos ou muito baixos.

Plataforma

Por fim, é hora de disponibilizar o seu podcast online! Mas em qual plataforma isso será feito?

Existem diversas opções disponíveis. Você pode optar por aquela que mais lhe agrade, pesquisar as que fazem mais sucesso nessa área, ou oferecer seu conteúdo em várias plataformas. A escolha é sua!

Nesse momento, o importante é facilitar o acesso a esse conteúdo e fazer uma boa divulgação.

Com a Faca e o Case

Você realmente achou que a Layer Up ia ficar de fora dessa tendência? É claro que não!

Somos apaixonados por todas as formas de comunicação, e é por isso que criamos o nosso próprio podcast. 

Em Com a Faca e o Case, oferecemos dicas para garantir o crescimento do seu negócio e ensinamos todas as etapas para construir um verdadeiro case de sucesso. 

Afinal, nós fomos a agência ganhadora de Melhor Case de marketing e Vendas pela Resultados Digitais. 

O podcast é uma nova forma de comunicação que vem ganhando muitos adeptos. Veja dicas da Layer Up que garantem o sucesso de seu projeto:

Como o Account Based Marketing vai gerar mais resultados para sua empresa

O marketing digital é conhecido por sua constante evolução. Novas estratégias surgem com frequência, de forma a otimizar processos e gerar melhores resultados, e esse é o caso do Account Based Marketing.

Nesse universo, estudar o perfil do público de um empreendimento é a base de diferentes táticas, já que entender como os clientes de certo segmento pensam e agem é de extrema importância.

Ao compreender exatamente o que consumidores esperam dos produtos e soluções oferecidos por um negócio, se torna mais fácil criar estratégias de vendas e propagandas que os agradem.

É aqui que o ABM entra em ação. Essa estratégia bastante popular tem como principal objetivo gerar leads qualificados e engajados com um negócio. Assim, ele poderá avançar na jornada de compra de maneira mais eficiente.

O que é o Account Based Marketing?

Gerar leads é um dos grandes objetivos das campanhas de marketing. Mas não basta somente chamar a atenção de possíveis clientes; é preciso incentivá-los a fecharem negócio para fazê-los completar todo o fluxo previsto na etapa de planejamento.

O principal trabalho do ABM, então, é criar estratégias que realmente gerem resultados.

Para isso, todas as campanhas são criadas de maneira personalizada para contas previamente selecionadas. Essa técnica não busca atrair o maior número de leads, mas sim chamar a atenção de possíveis clientes específicos, que foram escolhidos com muito cuidado.

Sendo assim, é possível dizer que as ações desenvolvidas pelo Account Based Marketing conversam com um público mais fechado e exclusivo.

Personalização é a palavra-chave

A personalização de conteúdo é um dos principais fatores que diferenciam o ABM de outras técnicas do marketing digital.

Profissionais irão estudar e entender quais são as necessidades do grupo de contas selecionado. A partir daí, serão capazes de criar materiais que conversem com as suas reais demandas.

Essa customização gera maior conexão com a sua marca. Assim, há um aumento nas vendas, e tudo isso faz com que o ROI, ou seja, o retorno do investimento, seja muito alto.

Dentre os seus vários benefícios, podemos destacar alguns que possuem grande conexão com essa personalização. Veja:

Os diferentes modelos de Account Based Marketing

Podemos dividir o Account Based Marketing em três modelos diferentes: one-to-one, one-to-few e one-to-many.

Para garantir o sucesso da sua estratégia, é importante ter a diferença entre eles bem clara na mente.

One-to-one

O one-to-one, também chamado de “um-para-um”, diz respeito ao tipo mais personalizado do ABM.

Quando essa técnica é utilizada, o primeiro passo tomado pelas empresas e profissionais da área é criar um mapa completo sobre todas as suas contas de interesse. Informações pertinentes, como histórico profissional e tipo de perfil devem ser analisadas com atenção.

Depois, os profissionais de marketing digital irão utilizar esses dados para criar ações totalmente personalizadas para as contas selecionadas, que não passam de 50.

One-to-few

Ao invés de utilizar informações específicas de cada uma das contas que você selecionar, é possível criar grupos daquelas empresas que possuam um perfil semelhante. É com base nessa ideia que o one-to-few, ou “um-para-poucos”, se baseia.

Dessa forma, você é capaz de chamar a atenção de um número maior de possíveis clientes sem perder aquele ar personalizado que é a chave do ABM.

Nesse caso, normalmente se utilizam grupos que possuem de 5 a 15 contas parecidas.

One-to-many

Também conhecido como “um-para-muitos”, o one-to-many utiliza uma amostra maior de contas. Aqui, podemos utilizar dados e informações de 1.000 ou mais possíveis clientes.

Para que a personalização não seja deixada de lado mesmo com uma base maior de contas, é importante que eles tenham perfis parecidos.

Apesar de ser um pouco mais geral, ainda funciona e entra na estratégia utilizada pelo Account Based Marketing.

Cuidado para não confundir o Account Based Marketing com o inbound marketing

Tanto o ABM quanto o inbound marketing buscam atrair novos clientes por meio de conteúdo de qualidade.

Por esse motivo, muitas pessoas acabam confundindo o trabalho realizado por essas duas técnicas. É importante lembrar, então, que elas utilizam estratégias diferentes.

Enquanto o inbound marketing busca capturar uma grande rede de possíveis clientes para depois filtrar aqueles que realmente vão descer no funil, o Account Based Marketing já faz essa seleção previamente.

Sendo assim, o material produzido será mais direcionado e específico desde a primeira etapa.

Passos básicos para criar uma estratégia de Account Based Marketing

O trabalho realizado pelo Account Based Marketing pode ser dividido em cinco simples passos.

Antes de tudo, é preciso identificar e definir as contas que servirão como modelos para o seu trabalho. Para isso, é importante ter em mente o perfil de cliente que você busca chamar a atenção.

Depois, você deve gerar essa lista, ou seja, procurar mais informações sobre esses leads. Saber como funciona o seu trabalho e quais são as principais características do seu negócio é imprescindível para a criação de conteúdo, que a próxima etapa dessa estratégia.

Você quer chamar a atenção dessas contas para que esses perfis se interessem por aquilo que você tem a oferecer. Sendo assim, desenvolver campanhas que irão gerar engajamento é essencial.

Por último, é necessário mensurar resultados. Acompanhe todo o desempenho obtido por sua campanha para analisar o que deu certo e o que deu errado. Assim, você será capaz de aprimorar a sua campanha.

Ainda tem dúvidas? A Layer Up pode te ajudar!

Pode parecer que assimilar todas essas informações é uma tarefa impossível. Mas, com profissionais qualificados e pacientes ao seu lado, você poderá observar resultados incríveis!

A Layer Up é uma agência digital atualizada, que está sempre aplicando novas estratégias em seus projetos.

Além do Account Based Marketing, também somos especialistas no Funil de Vendas em Y, metodologia que une inbound e outbound 2.0 e gera resultados incríveis. Confira todos os detalhes em nosso e-book gratuito:

O Account Based Marketing é uma estratégia do marketing digital que gera excelentes resultados. Entenda como funciona com a Layer Up!

Como microinfluenciadores podem aumentar o alcance de seu negócio

O maior objetivo de todos os negócios é ser bem sucedido. Para que isso seja possível, contudo, não é suficiente simplesmente prestar um bom serviço. É preciso, também, seguir técnicas de marketing e divulgação para se destacar dentro do mercado. Hoje, os microinfluenciadores são uma ótima opção.

Empresas e agências de diferentes segmentos passaram a integrar as redes sociais. Essa presença online é indispensável, pois fortalece a marca e gera engajamento, o que aumenta a sua popularidade. 

Entretanto, às vezes é preciso se esforçar um pouco mais para que os resultados comecem a aparecer, e é nesse momento que o trabalho dos microinfluenciadores entra em cena.

A parceria criada entre empresas e microinfluenciadores tem como finalidade a obtenção de benefícios para ambos os lados. Mas, antes de entender mais sobre os benefícios dessa técnica, é preciso saber exatamente quem eles são e o que fazem.

O que são microinfluenciadores e como escolher um?

Você com certeza já ouviu falar dos influenciadores digitais: pessoas famosas na internet, principalmente nas redes sociais, que possuem um grande número de seguidores. 

Também chamados de webcelebridades, eles são capazes de induzir o público a consumir determinado produto, de forma a impulsionar as suas vendas.

Para que isso seja possível, não é necessário ter milhões de seguidores. Na verdade, de acordo com estudos feitos pela Markely, especialista em marketing de influência, esse tipo de engajamento atinge o seu pico em contas que possuem entre mil e 10 mil seguidores. 

Sendo assim, pode-se dizer que os considerados microinfluenciadores trazem resultados melhores neste cenário.

Isso pode causar certa estranheza entre as pessoas. Uma conta com um número grande de seguidores deveria gerar maior repercussão, certo? Não necessariamente.

Por possuírem um público enxuto, os microinfluenciadores oferecem uma sensação mais intimista, o que passa maior segurança e confiança para os seguidores. Assim, é possível afirmar que esse tipo de investimento provoca um retorno melhor do que aquele feito com grandes influencers.

Os três principais benefícios oferecidos por essa parceria

De acordo com um estudo realizado pela Airstrip Group, especialista em mineração de dados, cerca de 66% de todo o conteúdo que encontramos na internet é postado por microinfluenciadores. 

Isso indica que essas contas, apesar de serem relativamente pequenas, possuem presença muito forte nas redes. Mas quais são, exatamente, os benefícios que essa parceria oferece para o seu negócio? Vamos descobrir!

Para você ter noção de como esse tipo de parceria pode ser vantajosa, a Méliuz, em conjunto com cerca de 10 microinfluenciadores, ganhou mais de dois mil seguidores no Instagram em apenas um mês. Isso ajudou a startup a se consolidar no mercado e também a divulgar a sua marca!

Encontre o microinfluenciador certo para o seu negócio

Na busca pelo seu microinfluencer, é importante ter em mente que as webcelebridades que você escolher devem possuir algum tipo de relação e afinidade com o serviço prestado pelo seu negócio. 

Não faz sentido, por exemplo, uma churrascaria firmar uma parceria com um influencer vegetariano. É necessário que esse tipo de acordo faça sentido para o público para realmente dar certo.

Para facilitar e agilizar esse processo, existem algumas plataformas que podem te ajudar a encontrar o microinfluenciador perfeito para a sua divulgação.

Alguns exemplos são: Airfluencers e Celebryts (você pode fazer a sua busca com filtros de interesse), e Digital Influencers e Squid (profissionais ficam encarregados de fazer essa pesquisa).

Agora que você já sabe exatamente como os microinfluenciadores podem te ajudar a dar aquele up no seu negócio, é hora de colocar as mãos na massa e partir para a ação!

Outra estratégia que está em alta é a produção de conteúdo relevante por meio de podcasts e outros formatos de áudio. Quer saber um pouco mais sobre o assunto? Confira nosso blogpost:

A presença online age diretamente no sucesso de um negócio. É por isso que parcerias com microinfluenciadores se tornaram populares. Veja:

Contato//

Fale com um especialista, tire dúvidas ou deixe sua sugestão para a Layer Up. Nosso time está pronto para dar um UP em seu negócio e entregar os melhores resultados!

    Newsletter

    Assine a newletter e receba informações do mundo digital.