Descubra como mensurar os dados do seu e-commerce e coletar insights valiosos

Com a pandemia do coronavírus, podemos observar que o e-commerce teve um crescimento estrondoso no mundo inteiro. 

De acordo com um levantamento da Neotrust, somente no Brasil esse modelo registrou um faturamento recorde em 2021, que totalizou mais de R$161 bilhões, um aumento de 26,9% comparado ao ano anterior.

Outro fator de destaque que impactou na ampliação das vendas pela internet foi a transformação digital durante esse período o que era para evoluir em dez anos, modificou-se em apenas dois.

Sendo assim, se tornou extremamente necessário entender mais sobre o universo dos dados. Isso porque, para alcançar o público ideal, as empresas precisaram fazer análises mais precisas para compreender quais eram as dores e necessidades de seu target.

Diante desse cenário surgiu o que chamamos de cultura Data Driven, um fator determinante para muitos negócios sobreviverem.

Evidentemente toda essa mudança fez com que diferentes negócios incluíssem os dados em sua estrutura, fazendo algumas marcas alcançarem as métricas, previsibilidade e receita tão sonhadas no universo de marketing e vendas — o que levou elas um passo à frente do concorrente.

E aí? Quer descobrir como os dados podem gerar insights valiosos e impulsionar os resultados do seu negócio? Então continue por aqui!

 

Como mensurar os dados de um e-commerce?

Antes de conferirmos todas as etapas sobre como mensurar os dados de um e-commerce, é necessário compreender que tipo de informação estamos buscando, ou seja — qual resposta é mais relevante para o seu negócio.

Isso porque muitas vezes as pessoas apenas reportam os números encontrados, sem ao menos entender o que é de fato importante para o funcionamento das vendas.

Entenda que cada instituição tem sua individualidade, desde as estratégias de marketing e vendas até o público a ser atingido, por isso a relevância dos dados e de definir quais métricas serão prioridades para o seu negócio.

 

Exemplos que devem ser considerados no momento da análise

Aqui citaremos alguns exemplos do que devem ser considerados na hora da coleta de dados.

Entenda que este é o momento ideal para descobrir e corrigir o que não está funcionando e também para identificar os aspectos positivos porque são eles que promovem o sucesso do seu negócio, certo?

Então, separe os pontos-chave da sua análise, que podem ser:

 

Saúde financeira

Para um e-commerce funcionar de maneira efetiva, é necessário considerar tópicos como: fluxo de investimento, lucro, custo e impostos.

Ao acompanhar o processo financeiro, também compreendemos com clareza se as estratégias de vendas estão funcionando e, através de análises e possíveis mudanças no percurso, alcançamos um negócio autossustentável.

 

Identificar as barreiras 

A análise do comportamento dos visitantes é essencial. É por meio dela que você consegue observar todo o caminho que uma determinada pessoa percorreu até de fato consumir ou descartar o seu produto.

Caso ela tenha interrompido o fluxo e abandonado a compra, tente compreender o porquê, quais os gargalos ou motivações que levaram a desistência.

 

Vendas com séries temporais

Através dos gráficos temporais é possível investigar qual período de compra mais favorece o seu e-commerce. A partir das respostas encontradas, trace ações e campanhas segundo o padrão de consumo do seu público.

 

Localização do seu público

A análise geográfica do seu público permite campanhas mais assertivas, principalmente quando consideramos datas comemorativas e feriados de um determinado país ou cidade, por exemplo — e, como vimos no tópico anterior, ficar atento a esse tipo de comemoração pode resultar em muitas oportunidades para o seu negócio.

 

Padrão de consumo

Analisar o padrão de consumo é um fator determinante para um e-commerce dar certo.

Por isso, observe atentamente quais produtos são mais vendidos ou até mesmo os produtos extras que as pessoas sempre acabam adicionando no carrinho para garantir aquele frete grátis, por exemplo.

O objetivo dessa análise é proporcionar respostas que te levem a traçar estratégias de vendas mais atrativas para o seu público.

 

Custo-benefício

Ao analisar o padrão de consumo, também é possível identificar o melhor custo-benefício para o seu público e para a empresa. Então não deixe de avaliar o valor médio consumido no site: muitas vezes ele se torna o preço ideal.

Identifique também se existem produtos que causam prejuízos.  Aqueles que não vendem e acabam ocupando espaço demais no estoque, por exemplo, podem ser descontinuados para evitar gastos desnecessários.

 

Quais métricas devem ser analisadas no e-commerce?

Após identificar os principais fatores que devem ser considerados em uma mensuração de dados, descubra também quais métricas são determinantes para uma análise efetiva. Confira!

 

Custo de aquisição do cliente

e-commerce

O custo de aquisição do cliente pode ser calculado pela soma dos investimentos feitos no setor de marketing e vendas dividido pela quantidade de clientes conquistados. Quanto menor for o valor do CAC, melhores serão as estratégias de retenção.

 

Taxa de conversão 

e-commerce

Para calcular a taxa de conversão, divida o total de pessoas que consumiram em seu site pelo total de visitantes e multiplique por 100. Compreenda que, ao realizar essa análise, você chegará a um dos resultados mais importantes para o sucesso do seu e-commerce, porque ela indica quantos clientes estão realmente consumindo o seu produto e/ou serviço.

 

Desistência

e-commerce

Da mesma forma que falamos sobre a necessidade de mensurar o que de fato é consumido no seu site, também consideramos importante analisar as desistências, ou seja, o famoso carrinho abandonado.

Para descobrir esse valor, divida a quantidade total de pessoas que adicionaram um produto ao carrinho pelo total que realizou a compra e, em seguida, multiplique por 100.

 

Ticket Médio

e-commerce

Outra métrica essencial para o seu negócio é a do ticket médio, já que é através dele que você descobre quanto as pessoas gastam no seu e-commerce.

O cálculo para obter o resultado é mais simples: a soma do lucro de vendas dividido pelas vendas realizadas.

 

Taxa de rejeição

e-commerce

Através da taxa de rejeição você alcança dados como: quantidade de pessoas que acessaram o seu site, quanto tempo elas navegaram e quais links clicaram. Ou seja, a partir dela é identificado quais abas são menos ou mais atrativas para o seu público, facilitando otimizações e melhorias. Para descobrir o resultado, basta dividir as “sessões de página única” por todas. 

 

Retorno sobre investimento

e-commerce

Através da análise do ROI você compreenderá se o seu negócio está realmente dando lucros ou não. Isso significa que esse é um dado que não pode ser ignorado! Para calculá-lo, pegue o valor da receita e divida pelo custo; em seguida, multiplique por 100 para chegar na porcentagem.

 

Dicas de ferramentas para analisar o seu e-commerce!

Algumas pessoas, ao se depararem com os tópicos citados acima, ficam um pouco apreensivas — porque tudo isso soa meio complicado. Se você se identifica, fique tranquilo (a): assim como qualquer outra estratégia, com dedicação, estudo e paciência você alcançará a prática.

E para tornar o processo ainda mais simples e alcançar resultados realmente efetivos, existem algumas ferramentas que podem ajudar nessa análise. Conheça algumas:

 

Google Analytics 

O Google Analytics é a ferramenta de análise gratuita mais utilizada do mundo. Ela mensura dados de sites, aplicativos e e-commerce, e o melhor de tudo é que oferece resultados que se encaixam nas mais variadas etapas do processo que citamos acima, tudo isso em apenas um clique.

Ela interage também com outros aplicativos do Google, como Ads e Search Console.

 

Data Melt

Outro aplicativo gratuito bastante conhecido para a análise de dados é a Data Melt, um programa de multiplataformas alinhado a linguagem de script, como Python, Ruby, Groovy e outras, com a capacidade de pacotes Java.

 

SAS

A SAS ou, na íntegra, Statistical Analysis System, é a empresa de análise de dados mais conhecida do mundo e pioneira do BI e de outros softwares famosos.

Essa ferramenta é paga (podendo ser testada gratuitamente), porém, oferece diversas funcionalidades que acabam compensando o investimento

Suas ações se baseiam em quatro comandos: acessar, manipular, analisar e apresentar, e seu diferencial é a portabilidade de programas e arquivos para diversos ambientes operacionais.

 

Kissmetrics

Para os que desejam investir um pouco mais no processo de mensurar dados, o Kissmetrics é semelhante ao Google Analytics, porém oferece recursos extras por se tratar de uma versão paga.

Ela é ideal para empresas que apostam em Inbound Marketing, podendo ser complementada também com outras ferramentas do Google.

 

Que tal usar essas dicas e alavancar o seu e-commerce?

Ao decorrer deste conteúdo reforçamos a importância de se manter atualizado às tendências e mudanças do mercado — sim, estamos falando sobre a cultura dos dados!

A era da inovação já bateu na sua porta, agora basta abrir e deixar ela fazer parte do seu negócio.

Quer descobrir outras formas de impulsionar os resultados do seu e-commerce  com as métricas e análise de dados? Participe do maior evento online sobre  Data Driven Decision do Brasil!

e-commerce

Downsell: aprenda a vender mais com essa estratégia

Você sabe como resgatar a atenção do cliente quando a  proposta inicial não é tão atrativa? Bom, esse é caso do método de downsell, considerado como “a última esperança” para tentar reconquistar aquele potencial consumidor.

Atualmente existem diversas estratégias para o setor de marketing e vendas e, muitas delas, são até mesmo personalizadas para atender todas as necessidades da empresa e do cliente. 

Mas sabemos também que nem sempre elas são perfeitas. Por isso, se você quer descobrir como “recalcular a rota” e transformar o seu lead em receita, continue por aqui!

 

O que é a estratégia downsell?

O downsell é uma estratégia utilizada como contraproposta para o cliente não desistir do produto e/ou serviço oferecido pela empresa. 

Isso pode servir para os casos em que você acabou de prospectar o lead ou quando ele já era um cliente fidelizado, mas que por algum motivo optou por interromper a parceria. 

No segundo caso, ao invés apenas reconquistá-lo com alguma promoção, você pode tentar reconstruir a parceria, entender as novas necessidades e oferecer uma solução segundo as informações coletadas


Qual a diferença do downsell para o upsell e cross-sell?

Algumas pessoas ainda confundem downsell com as estratégias de upsell e cross-sell porque são bem parecidas. 

Entenda que no método de upsell o foco está em oferecer ao consumidor um upgrade do produto e/ou serviço já consumido. Ou seja, ele já é cliente e estenderá a parceria.

Já no caso do cross-sell, a ideia é oferecer um produto que complemente o que ele já consumiu ou utiliza, gerando fidelização e aumentando a receita

 

Quais os benefícios para o setor de vendas?

O primeiro benefício e característica observada na estratégia de downsell é que os clientes acabam se aproximando mais da empresa, por entender que ela se importa com as dores e necessidades dele. 

Imagine que ele já consumia o serviço e/ou produto e por algum motivo precisou fazer corte de custos. Ao se deparar com uma contraproposta que o ajude nessa situação, ele pode se sentir fidelizado pela marca.

Consequentemente, se você mantém uma relação fidelizada com o cliente, naturalmente aumenta o faturamento da empresa, o ticket médio e o ROI.

 

Downsell: quando e como utilizar essa estratégia?

Após entender melhor o que é downsell, quais as diferenças das estratégias de upsell e cross-sell e os benefícios, confira também o passo a passo de quando e como colocar em prática! 

 

O cliente como prioridade

O objetivo da estratégia é reconquistar o cliente de alguma forma. Então, compreenda a importância de colocar o seu atual ou potencial consumidor como prioridade e analisar todas as dores dele

Procure entender o que a sua empresa precisa melhorar e como trazer uma versão de produto ou serviço que realmente atenda as necessidades dele.

 

Capacite o seu time de vendas

Procure trazer recursos, cursos ou treinamentos para aperfeiçoar o seu time de vendas.

Seja na comunicação ou abordagem comercial, prepare a sua equipe para oferecer exatamente o que o seu cliente ou lead precisa.

 

Seja a solução para os seus clientes

Cada vez se faz mais necessário estar antenado à concorrência, principalmente quando falamos sobre estratégia de vendas.

Por isso, compreenda exatamente o que o seu cliente precisa e procure ser a solução que ele precisa no mercado.

 

Tenha feeling para o downsell

Apesar de o downsell ser uma estratégia extremamente eficaz, ele precisa ser utilizado no momento certo para ser efetivo.

Observe quais as necessidades do seu cliente e entenda a hora de entrar em cena com as ferramentas certas para reconquistar ele.

 

O que achou dessas dicas? Confira mais insights valiosos para impulsionar as vendas do seu negócio!

 

Cliente oculto

Cliente oculto: o que é, como ele atua e por quê aplicar essa estratégia em seu negócio?

Devido ao aumento de exigências por parte dos consumidores em relação a sua experiência de compra, o cliente oculto se tornou uma opção estratégica para aqueles que buscam se destacar no mercado.

Com a facilidade digital, as opções de escolhas ficam ainda maiores e mais concorridas, sem contar as redes sociais, que além de influenciar o consumo, também podem, por meio de comentários negativos, representar o fim de um negócio.

Por isso, diversas ferramentas têm sido utilizadas para aprimorar os processos de marketing e vendas, incluindo o cliente oculto.

Quer saber mais sobre essa estratégia e como ela pode impactar positivamente nos resultados da sua empresa? Confira a seguir!

 

O que é cliente oculto?

O cliente oculto é um profissional contratado e treinado pela própria empresa para analisar a qualidade e eficiência do seu processo de vendas. Ele simulará uma compra ou interação e, a partir de sua experiência e técnicas de análise, irá formular relatórios e feedbacks que serão determinantes para aprimorar processos de melhorias.

Como citamos anteriormente, os consumidores estão cada vez mais exigentes, assim, é necessário que as marcas se atentem às dores e necessidades do seu público. 

Para isso, há outras técnicas e metodologias, como a Big Data, que coletam informações referente aos padrões de consumo das organizações e também identificam e antecipam as tendências do mercado

Porém, independente dos dados que você tiver em mãos, se a experiência de consumo não corresponder às expectativas do público, os seus esforços serão desperdiçados. É aí que entra o cliente oculto, ele te permite analisar os dados para traçar as melhores experiências de compra.

 

Como o cliente oculto atua na empresa? 

Em sua simulação de experiência com a empresa, o cliente oculto atua de forma anônima e analisa processos como:

Atendimento ao cliente

Aqui nascem as primeiras impressões do cliente oculto, ele analisa se há preparo da empresa para atendê-lo e conduzi-lo a compra.

Estrutura física ou virtual da loja 

Na loja física (PDV) ou online (e-commerce), o cliente oculto avalia a maneira como os produtos e a comunicação estão distribuídos; a organização e limpeza do ambiente; e se há variedade e qualidade de produtos e/ou serviços oferecidos.

Processos de vendas

Após observar o atendimento e a estrutura, o cliente oculto simula a compra e identifica se há eficiência e produtividade no processo de vendas, de maneira que identifique se existem falhas em alguma etapa.

Qualidade do serviço

Nesta etapa, o cliente oculto analisa o nível de satisfação da sua experiência ao passar pelo processo de compra e, caso tenha vivenciado alguma dificuldade, ele observa como a empresa efetuou a gestão de crise.

Condições de pagamento

Muitos clientes destacam esse ponto, porque cada vez têm surgido novas formas de pagamento, seja por meio facilitador de débito, como o pix ou um número de parcelamentos acessível, e isso conta muito para a finalização de uma compra, dependendo do público ou produto oferecido. 

Produto e/ou serviço

Depois de todas as etapas, essa, mesmo se alguém quisesse, não teria como manipular. A venda do produto e/ou serviço é o objetivo final da empresa, e se há alguma experiência negativa na aquisição, surge a necessidade de reavaliação e possível mudança do que é oferecido.

 

O que você deve procurar neste profissional?

Para observar os aspectos citados acima de maneira efetiva, o profissional contratado deve ter um olhar analítico, saber se expressar de maneira clara e ser organizado, porque é ele quem instruirá a empresa sobre os pontos a serem melhorados.

Entenda que a avaliação do cliente oculto é uma ferramenta para a empresa incluir ações em sua estratégia e, assim, melhorar sua performance de marketing e vendas. 

Outro ponto importante é a atuação de forma discreta e imparcial, para que o processo de vendas não seja manipulado e tenha resultados incoerentes com a realidade. 

 

Conheça os 5 tipos de cliente oculto

Apesar de citarmos a maneira geral com que ele atua, é importante destacar que existem cinco tipos de clientes ocultos, e eles podem analisar setores mais específicos ou os processos na íntegra, dependendo do que é acordado pela empresa e o profissional.

Então, dependendo do que a empresa precisa, existe:

Avaliação presencial

Procedimento mais comum, em que o cliente oculto vai até o local de venda e aplica os passos citados no tópico sobre como ele atua.

Avaliação dos canais de atendimento online

Na avaliação online, o cliente oculto utiliza não só o principal meio de compra, como também analisa todas as redes sociais existentes.

Avaliação dos canais de voz 

Nesta avaliação, ele pode incluir tempo de espera, postura do atendente e pontos relacionados à qualidade. Nesta etapa, inclusive, o cliente oculto pode gravar a conversa.

Avaliação do cliente oculto na concorrência 

O cliente oculto, de maneira ética, também pode incluir em seu processo de análise a concorrência.

É possível fazer um levantamento sobre como o concorrente está atuando no processo de vendas e a qualidade do serviço prestado, revelando para a empresa contratante se ela está ou não a altura do mercado.

Cliente oculto com necessidades especiais 

Essa forma de avaliação se faz extremamente necessária. Nesta análise, coloca-se em pauta o nível de acessibilidade para pessoas com necessidades especiais. Por isso, vale a pena se questionar, o seu produto e/ou serviço é inclusivo

Neste tópico, ressaltamos ainda mais a importância da avaliação deste profissional para o seu negócio. Ele pode trazer à tona exigências inclusivas no processo de vendas que, por algum motivo, passavam despercebidas ou não eram tratadas como prioridades.

Por isso, analise a sua empresa, seja por meio de dados ou por números internos e inclua na próxima etapa a contratação de um cliente oculto, ele pode trazer soluções valiosas para o seu negócio.

 

O cliente oculto e o Customer Centric

É importante não confundir o cliente oculto como um serviço de espionagem. Ele tem como objetivo contribuir estrategicamente com a empresa, permitindo respostas mais concretas sobre o processo de vendas por meio de análises e relatórios obtidos após a simulação da experiência de compra. 

Inclusive, há negócios totalmente dedicados à estratégia de Customer Centric, ou Cliente no Centro. Utilizando de diversos métodos e ferramentas para trazer a satisfação total do cliente.

 

Benefícios de um cliente oculto para as vendas

Após o cliente oculto passar por todas as etapas de análise e finalizar a sua avaliação, alinhe o feedback e relatórios obtidos às suas estratégias de Customer Centric.

Compreenda que, ao conduzir o seu cliente a uma experiência de consumo satisfatória, naturalmente irá levá-lo a consumir novamente.

Como também poderá gerar o famoso “boca-a-boca”, seja por uma simples conversa indicando a sua marca ou uma publicação positiva nas redes sociais, que pode influenciar outro potencial consumidor, resultando em mais receita.

A atuação do cliente oculto não só evidencia o que precisa ser modificado, como também traz a perspectiva de alguém que consumirá o produto e/ou serviço oferecido.

Entenda que, ao dedicar os esforços da sua empresa em compreender e analisar estrategicamente as necessidades do seu público, não somente impulsiona os seus resultados, mas também pode ser vital para seu negócio a longo prazo.

Cliente oculto

A relação dos dados entre os times de marketing e vendas

Quando falamos sobre uma boa gestão entre os times de marketing e vendas, estamos falando mais especificamente sobre a necessidade da sincronização das atuações dos times, ou seja, a tomada de decisões de maneira conjunta. E como isso é possível? A resposta é simples: por meio dos dados. 

Vivemos em uma época na qual todas as ações são tomadas em tempo real. No crescente mundo dos negócios e com o poderoso avanço digital, empresas que demoram para se posicionar e decidir estratégias importantes tendem a ficar para trás. 

Quando falamos sobre as equipes de marketing e vendas não é diferente, apesar de ambas desenvolverem trabalhos distintos, a boa comunicação entre os diferentes setores é capaz de impulsionar importantes resultados de diferentes formas

Entretanto, essa integração entre os diferentes setores só é possível quando ambos são orientados por uma cultura Data Driven, na qual as tomadas de decisão são priorizadas a partir dos dados. 

Por que os dados são cruciais para os times de marketing e vendas?

Pense bem, o objetivo de todo negócio é vender mais e conquistar cada vez mais clientes. Para alcançar esse objetivo é indispensável que toda jornada de compra seja focada na experiência do cliente, ou seja, a atenção deve ser fundamental desde o momento no qual o lead demonstra interesse até depois do pós-venda

Partindo dessa premissa, é essencial que ambos os times trabalhem e desenvolvam estratégias com base em informações consistentes. Por exemplo, se você busca fidelizar um cliente, o desenvolvimento de promoções personalizadas é uma boa alternativa, já que as ofertas segmentadas levam em consideração o histórico de compra dos clientes. 

E como isso é possível? Com os dados!

Extraindo e organizando os dados coletados é possível definir quais estratégias em andamento têm trazido o retorno esperado e quais não atingiram as metas estabelecidas. Assim como qual produto ou serviço chamará mais a atenção de cada cliente.

Alguns outros benefícios da integração dos dados são:

Como manter marketing e vendas alinhados? 

Quem é gestor entende bem que nem sempre a integração das equipes é uma tarefa fácil, afinal, muito além de colaboradores de diferentes setores, esses profissionais possuem diversos desafios cotidianos e nem sempre o compartilhamento de informações é fácil. 

Assim, a utilização de algumas práticas simples faz total diferença no que se refere ao compartilhamento de informações relevantes e a boa relação entre as equipes, como:

Quando falamos sobre a relevância dos dados no que se refere aos processos organizacionais no dia a dia, estamos falando sobre uma gestão que busca simplificar processos. Em outras palavras, extrair e destrinchar dados tem que ter como objetivos torná-los em informações mais fáceis de serem lidas e colocadas em prática. 

Simplificar é a palavra-chave!

Como já citado anteriormente, os dados trouxeram um novo olhar sobre o marketing e vendas. Essa prática trata-se de uma necessidade para empresas que buscam se destacar no mercado, além de auxiliar negócios que buscam entender melhor os clientes e as respectivas jornadas de compra. 

Pensando neste amplo universo dos dados, desenvolvemos esse ano o evento Data Driven Decision, no qual trouxemos diversos especialistas em tecnologia, inovação, marketing e vendas para apresentar a necessidade de diferentes negócios se adaptarem a uma cultura orientada por dados. 

Além de ensinar metodologias e técnicas, trouxemos as tendências e novidades desse setor em debate extremamente informativo. 

Para aprender a simplificar processos, automatizar ações, implementar uma cultura orientada por dados e unir suas equipes em prol de resultados promissores, atendendo aos desafios do mercado, assista ao evento Data Driven Decision. 

Ao todo, são mais de 15h de conteúdos exclusivos. Você está pronto para dar um mergulho no universo dos dados? Para acessar o Data Driven Decision, basta clicar no botão abaixo:

marketing e vendas

Aprenda a potencializar suas vendas com o CRM

O CRM é uma sigla para abreviar Customer Relationship Management, que significa gestão de relacionamento com cliente em tradução literal. 

Esse software foi criado para trazer metodologias mais automatizadas para os processos das empresas, visando alcançar e se aproximar mais dos atuais e potenciais consumidores.

Na prática, as plataformas de CRM conseguem ajudar os negócios a criar um bom relacionamento com os clientes, gerando fidelização.

Ou seja, o software de Customer Relationship Management tem a proposta de coletar e oferecer o máximo de dados possíveis para promover ações mais precisas e assertivas dentro de uma empresa, otimizando processos e trazendo um ambiente mais organizado.

Ele também está alinhado a uma cultura Data Driven e, consequentemente, leva a uma previsibilidade que, por muitas vezes, se torna vital para muitos negócios sobreviverem no mercado atual. 

 

As principais características de um CRM

Confira as principais características desse tipo de software e aprenda escolher um Customer Relationship Management mais assertivo.

 

CRM na Nuvem

A utilização de softwares na nuvem garante uma extensão de armazenamento e produtividade, com o menor custo e burocracia

Tudo é resumido a uma mensalidade, que garante segurança e a integridade dos dados em um servidor externo, sem que ocupe espaço ou necessite de novas máquinas — permitindo o acesso de qualquer hora ou lugar.

 

Automatização de processos

A automatização de processos é a principal característica do CRM, que tem o objetivo de realocar o que antes era feito manualmente para um trabalho feito por software — principalmente as tarefas consideradas repetitivas ou que levam muito tempo. 

O intuito é extrair a mais alta performance da empresa e realocar a produtividade para o que realmente importa e gera resultado.

 

Compatibilidade com outros aplicativos

Outro ponto de destaque do CRM é a compatibilidade com outros aplicativos, algo que deve ser considerado inclusive na hora da escolha do melhor software para o seu negócio.

Afinal, quando pensamos em um processo de uma empresa, imaginamos funções interligadas e com funcionamento fluido, com cada etapa suprindo uma necessidade específica.

Por isso é importante que um Customer Relationship Management consiga interagir com diferentes apps. Dificilmente um único software atenderá todas as necessidades de uma empresa, mas ele precisa ao menos interagir com outros mecanismos.

 

Leia também:

 

O CRM pode ser dividido em três partes

Para que todo o processo de CRM funcione de maneira efetiva, é importante conhecer e compreender todas as variações existentes dessa metodologia. 

Isso porque  elas mesclam entre si, organizando estratégias e utilizando táticas para que a informação chegue de forma precisa até o consumidor, suprindo todas as necessidades dele. Confira!

 

O CRM analítico é o responsável por fazer a identificação e o acompanhamento dos diferentes perfis de clientes dentro da sua empresa, além de tomar posse dessas informações para decidir quais serão as estratégias necessárias para alcançar o público-alvo e corresponder todas as suas necessidades identificadas.

 

Essa outra parte do CRM leva o nome de operacional pois prevê toda aquela integração dos produtos relacionados à tecnologia, proporcionando, assim, um relacionamento assertivo com o cliente, além de abstrair informações que melhoram a eficiência de todo o processo.

 

O CRM colaborativo trabalha com o CRM operacional. Ele faz com que a empresa tenha total integração e automação dos pontos de contato direto com o cliente da empresa. Essas duas partes devem funcionar perfeitamente para que a interação com os clientes não tenha nenhum tipo de ruído.

 

Entenda como o processo de CRM funciona

Todas as estratégias traçadas se resumem em: como a abordagem ao cliente deve ser realizada, quais os procedimentos/eventos que deverão ser gerados durante essa abordagem e, por fim, definir qual plano de comunicação será adotado e qual a forma em que ele será aplicado.

Assim como todas as ferramentas do marketing digital, o CRM precisa ser muito bem organizado e com metas e objetivos bem definidos. Veja nos passos a seguir:

 

Planejamento

Sabemos que toda metodologia aplicada em processos de venda precisa ter como princípio o planejamento — e no CRM não é diferente. A partir dele, são definidos todos os programas e estratégias a serem seguidos.

 

Marketing relacional

O marketing relacional funciona como apoio ao planejamento e tem como objetivo fidelizar clientes por meio do bom relacionamento com o consumidor.Uma estratégia sugerida para esse processo ser ainda mais eficaz é a adesão do profissional de Manager Customer Success.

 

Serviços e produtos de qualidade

O nome do tópico já diz tudo. Sua empresa precisa oferecer produtos/serviços de qualidade para que os clientes fiquem satisfeitos não só com o bom relacionamento, mas também com tudo o que sua empresa oferece.

 

Presença digital 

De nada adianta ter uma página no Facebook, por exemplo, e não abastecê-la com conteúdos relevantes frequentemente. É preciso se fazer presente. Além disso, o site da empresa precisa ser bem estruturado e apresentar facilidades de navegação.

 

Relacionamento com valor agregado 

Não basta apenas se relacionar, é essencial que esse relacionamento seja construtivo e venha trazer benefícios para ambas as partes envolvidas.

 

Outros canais de distribuição 

O marketing multicanal é uma forma de expandir o seu produto e/ou serviço a “novos horizontes” e fazer com que o seu negócio e a sua mensagem cheguem ao seu público-alvo por diversos lugares.

 

Detectar oportunidades de negócios 

A análise de dados funciona também para conseguir identificar novas oportunidades de negócios nas quais a sua empresa poderá atuar.

 

Leia também:

 

Quais são as vantagens do CRM e quando implementar no seu negócio?

O CRM é a ferramenta ideal para organizar e aprimorar os processos de uma empresa quando o seu negócio precisa de um upgrade. Isso porque ele tem a capacidade de eliminar gargalos nas produções e ruídos na comunicação utilizando um processo mais automatizado.

Com isso, surge mais tempo para concentrar os esforços da equipe em análises e mensuração de dados, tanto no macro quanto micro de uma empresa. 

Podendo também trazer soluções mais acessíveis e emergenciais para o setor de vendas e de relacionamento com o cliente, além de trazer estratégias mais atuais com apoio no meio digital.

 

Quais são as aplicações de um CRM?

Agora que você já sabe o quão benéfico um CRM pode ser para o seu negócio, precisa entender quais setores ele pode ser aplicado, correto? Confira a seguir!

 

O CRM permite menos burocracias no processo de atendimento ao consumidor, ou seja, ele auxilia na implementação de soluções mais práticas, rápidas e eficazes.

Gerando, assim, maior satisfação entre os consumidores, principalmente nos casos em que o cliente entra em contato para relatar alguma dificuldade ou necessidade quanto ao produto e/ou serviço que você oferece.

 

Sabemos que hoje, para um negócio alcançar o sucesso e consequentemente destaque no mercado, é necessário aderir à cultura dos dados. 

Por isso, o CRM se torna uma ferramenta de upgrade que, assim como já citamos anteriormente, por meio da automatização do processo ele permite uma otimização das tarefas mais complicadas e traz mais tempo para a equipe dedicar seus esforços em análises.

Compreenda que nesta etapa de mensuração ele também pode contribuir com os relatórios de resultados, já que está no controle de boa parte dos procedimentos.

Então, o ideal é distribuir profissionais que dediquem a atenção aos indicadores de desempenho e identifiquem os erros e acertos.

 

Após a mensuração dos dados, fica ainda mais fácil identificar qual estratégia é a ideal para o seu negócio, já que o CRM permite trazer insights estratégicos para uma empresa.

Caso tenha problemas de comunicação (interna ou externa), por exemplo, por meio dos relatórios você pode encontrar metodologias que eliminem os ruídos.

Nos casos em que há gargalos na produção, é possível identificar o que pode ser otimizado e trazer soluções que eliminem os erros e desperdícios de tempo, produto, etc. 

Até mesmo nas redes sociais, ao identificar as dores dos seus clientes, você pode entender e definir o posicionamento adequado para trazer uma imagem mais positiva e atrativa para o seu público.

 

Assim, com um atendimento simplificado, análise e mensuração de dados e estratégias mais assertivas, você conquista a satisfação total do cliente.

Isso porque, com um negócio mais otimizado e organizado, naturalmente começará a refletir externamente e trazer soluções e experiências mais assertivas para o consumidor.

Hoje “apenas vender”, sem o comprometimento de proporcionar o sentimento de realização no cliente, o negócio se torna apenas mais um no mercado. 

Lembre-se: um atendimento  de qualidade e um bom relacionamento com o cliente leva à fidelização que, consequentemente, gera receita.

 

Para que as estratégias relacionadas à comunicação ou à imagem e mensagem que a sua empresa quer transmitir seja passada com sucesso, é a hora de unir o CRM com o inbound marketing.

Essa estratégia tem como intuito alinhar os dados e relatórios extraídos por meio dos softwares a um conteúdo de qualidade.

Ou seja, ao analisar e mensurar as informações do seu negócio, logo entenderá as dores e necessidades do seu público e, assim, produzirá campanhas que realmente despertem interesse neles.

Isso porque o inbound marketing tem como um dos objetivos atrair a atenção dos consumidores pela autoridade. A ideia é que as pessoas procurem por produtos e serviços do seu segmento e, naturalmente, pensem na sua marca.

 

É hora de escolher o CRM: confira exemplos!

Agora que você já sabe o que de fato é o Customer Relationship Management, para que serve e como pode revolucionar os resultados do seu negócio, confira alguns exemplos dos softwares mais utilizados pelas empresas:

 

Salesforce

Se você busca pela opção considerada a mais flexível e segura do mercado, o Salesforce é para você.  O aplicativo é pago, custando de 25 a 75 dólares por usuário e/ou mês (até o momento desta publicação).

 

ZohoCRM

Com prêmio de excelência por uma ótima experiência do usuário, o ZohoCRM é outra opção líder no mercado de CRM.

E para quem ama economizar, aí vai uma boa notícia: tem versão grátis disponível (para até três usuários). A versão paga varia entre 18 e 45 dólares por usuário e/ou mês.

 

Pipedrive

O Pipedrive é muito utilizado pelas empresas brasileiras e tem o intuito de facilitar ainda mais os processos dentro de um negócio.E a ferramenta se destaca justamente por isso: sua facilidade de uso.Os valores variam entre 15 e 59 dólares por usuário e/ou mês.

 

RD Station CRM

A nossa parceira e detentora do título de maior empresa de automação de marketing da América Latina, RD Station, oferece um app fácil e seguro.

Ela conta com um plano gratuito que não tem limite de contatos ou usuários cadastrados. Em sua versão paga, o custo é de R$ 39,90 por usuário e/ou mês e conta com integração total ao RD Station Marketing.

 

Mão na massa!

Chegou o momento de colocar todas essas estratégias em prática e partir para evolução digital. Entenda que o CRM será um aliado do seu negócio e que ajudará o seu empreendimento a se atualizar na mesma velocidade que o mercado.

Obviamente nada disso seria possível sem os dados, já que toda e qualquer análise é sempre bem-vinda e  nos orienta se os resultados de uma empresa estão indo bem ou não. 

Quer ir além na estratégia de CRM e alcançar a expertise nos dados em 2022? Conheça o maior evento de Data Driven do Brasil!

CRM

Contato//

Fale com um especialista, tire dúvidas ou deixe sua sugestão para a Layer Up. Nosso time está pronto para dar um UP em seu negócio e entregar os melhores resultados!

    Newsletter

    Assine a newletter e receba informações do mundo digital.